Carregando...

Alerta!

logo A FALÁCIA DO MAIS CADEIRAS - Cláudio Silva - Colunistas - AN Notícias A FALÁCIA DO MAIS CADEIRAS - Cláudio Silva - Colunistas - AN Notícias

Apucarana, 24 de Setembro de 2018

SAIBA MAIS

Nossa Senhora das Mercês - Dia do Coração - Início da Semana dos Bons Dentes -
Escolha um colunista:
Cláudio Silva
Educação
Ex-secretário de Educação em Apucarana e ex-presidente da UNDIME-PR. É proprietário da Escola Nossa Senhora da Alegria e Colunista do AN Notícias e Jornal Apucarana Notícias.
Os artigos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores, pois o Site e Jornal Apucarana Notícias pode não comungar com as mesmas ideias.
18/09/2015 03h07

A FALÁCIA DO MAIS CADEIRAS“A perfeição não consiste na quantidade, mas na qualidade”. ( Gracián y Morales)

                          A FALÁCIA DO "MAIS CADEIRAS" 
 “A perfeição não consiste na quantidade, mas na qualidade”. ( Gracián y Morales)
                                         *Por Cláudio Silva
Problemas éticos de representatividade não se resolvem ampliando a quantidade, mas depurando a qualidade dos escolhidos. Um princípio universal.  E representantes deveriam estar conscientes de que simbolizam uma coletividade, são executores da vontade  da população, e é em seu nome que deveriam exercer o mandato recebido. O que impõe que em determinados momentos a vontade da população se imponha acima de suas próprias opiniões e interesses particulares. Ouviu-se muito nos últimos tempos expressões de edis do tipo "EU não concordo com tal número.EU sempre fui favorável à tal número". O que em boa parte contrariou a vontade do maior interessado, o povo. Como se ele alí estivesse para satisfazer a SUA vontade, e não a da população. Miopia grave, fatal, para o homem público é voltar as costas ao clamor popular, maior sinalizador de rumos a tomar. A história é abundante em fatos de que nem sempre "o povo tem memória curta", que o diga certo governador que no passado agrediu professores, carregará pelo restante da vida esse estigma. E na era das redes sociais as relações sociais  tem mudado substancialmente. Porque como diz o velho dito popular,  “quem bate não se lembra, mas quem apanha não esquece”. E, improvisos de última hora serão sempre tentativas de tapar o sol com a peneira, porque a frustração geral já estará irremediavelmente instalada. O momento, vivenciado pelo Brasil é por demais aflitivo, com notícias de fatos que dispensam adjetivos escancarados diariamente pela mídia e redes sociais. Com as previsíveis  consequências de um peso cada vez maior sendo colocado sobre os ombros de todos os brasileiros. Talvez nunca foi tão premente para cada cidadão brasileiro e dos que exercem funções públicas, a séria reflexão sobre o papel e a importância da representatividade, porque dela depende o presente e sobretudo o futuro de todos nós. Daí o destaque e a merecida reverência ao trabalho sério de grupos e entidades comprometidas que corajosamente consubstanciam a vontade da população.
Pense Nisso!

(ANOTE ABAIXO A SUA MENSAGEM)

*Cláudio Silva é mestre em Educação, ex- Secretário de Educação de Apucarana-PR e ex- presidente da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação-UNDIME/PR. Diretor da Escola Nossa Senhora da Alegria  

*LEIA TAMBÉM A CAMPEÃ DE ACESSOS  “AS RAPOSAS E O GALINHEIRO”
                                                                                                                                                                                                                                                (mais textos do professor poderão ser acessados no site Prof. Cláudio Silva Educacional)
Ficha Técnica:Estrutura: Jornalista Cláudia Alenkire Gonçalves da Silva – MTE 000 9817 /PR Revisão:  Psicóloga Mestranda USP Cláudia Yaísa Gonçalves da Silva.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
  • AVRITZER, L. A moralidade da Democracia. São Paulo: Perspectiva; Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1996
  • MILL, John Stuart. O governo representativo. Brasília, Editora UNB, 1981
  • URBINATI, N. O que torna a representação democrática? In: Revista Lua Nova. São Paulo, 2006