Carregando...

Alerta!

logo Reconheça a sua dor, mas siga em frente! (psicóloga Cláudia Yaísa G. Silva) - Cláudio Silva - Colunistas - AN Notícias Reconheça a sua dor, mas siga em frente! (psicóloga Cláudia Yaísa G. Silva) - Cláudio Silva - Colunistas - AN Notícias

Apucarana, 23 de Outubro de 2020

SAIBA MAIS

Dia da Aviação Brasileira - Dia da Répública - Dia de Chulalongkorn - Dia de São Severino - Dia Mundial da Informação -
Escolha um colunista:
Cláudio Silva
Educação
Ex-secretário de Educação em Apucarana e ex-presidente da UNDIME-PR. É proprietário da Escola Nossa Senhora da Alegria e Colunista do AN Notícias e Jornal Apucarana Notícias.
Os artigos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores, pois o Site e Jornal Apucarana Notícias pode não comungar com as mesmas ideias.
09/08/2020 06h59

Reconheça a sua dor, mas siga em frente! (psicóloga Cláudia Yaísa G. Silva)

Ioga, Ao Ar Livre, Mulher, Pose De, Jovem, Pessoas
Fonte: Pixabay yoga-2176668_1920
 
Qual situação do seu passado ainda precisa ser superado e ressignificado?
 
Às vezes trazemos feridas que não cicatrizaram, mas que continuam incomodando. Isso porque ainda precisam ser olhadas, cuidadas, para que então se fechem.
 
Há pessoas que se recusam a revisitar esses momentos, pois preferem fugir a enfrentar. No entanto, as marcas ficam e o registro na nossa mente se mantém. Temos assim duas opções: enfrentar a situação ou continuar fingindo que aquilo não nos afeta por já ter passado há tanto tempo!
 
E o que significa enfrentar? Para alguns será o perdoar. Para outros, se desapegar do que não mais cabe na vida. Há quem precisará se desfazer de algumas coisas. E aqueles que iniciarão um caminho de reconstrução.
 
Em todo o caso, ao voltarmos ao passado e nos depararmos frente a frente com o que nos machucou e feriu, temos a chance de fazer as pazes com a nossa história e abrir espaço para as novas possibilidades.
 
Às vezes o que faltou foi justamente reconhecer que o que foi vivenciado foi difícil, pesado, trouxe tristeza e raiva. Portanto, legitime a sua dor, mas se permita seguir em frente. Pense nisso!
 
“Que aqui estou de corpo e alma.
Vivendo insanamente cada fração de segundo,
Fazendo valer meu lugar no mundo,
Onde presente, passado e futuro se fundirão.
Quase que numa oração repetida aos quatro ventos,
Peço somente: mantenha meu espírito forte,
Para os dias que passam lentos.” (Will Monteath – Tulipas Azuis)
 
*Cláudia Yaísa Gonçalves da Silva - psicóloga CRP 06/111120, professora de Psicologia, Doutoranda em Psicologia Clínica pela USP, especialista em Psicanálise. Site www.psico.life / e-mail: claudia@psico.life / Instagram: @psico.life / Facebook: Psico.Life