Carregando...

Alerta!

logo Apucarana define primeiras empresas da Cidade Industrial - Notícias - AN Notícias Apucarana define primeiras empresas da Cidade Industrial - Notícias - AN Notícias

Apucarana, 14 de Dezembro de 2018

SAIBA MAIS

25/11/2018 08h49

Apucarana define primeiras empresas da Cidade IndustrialNovo parque está nascendo com o conceito de “cidade industrial”, incluindo toda a infra-estrutura e espaço para instituições de apoio

Diminuir texto Diminuir texto Diminuir texto

Em solenidade realizada nesta quinta-feira (22/11), no gabinete municipal, o prefeito Beto Preto (PSD) oficializou a cessão de lotes industriais e concessão de incentivos dentro do Programa de Desenvolvimento Econômico de Apucarana (Prodea) a 13 empreendimentos. Desse total, nove entram para a história como os primeiros a conquistarem o direito de integrar o Parque Industrial da Juruba, também chamado de Cidade Industrial de Apucarana.

Apontado como o principal projeto de expansão industrial do município, a primeira etapa do empreendimento, projetado para um total de 237 lote e que está sendo estruturado na região sul da cidade, prevê a liberação de 31 lotes já para o início do próximo ano. Os demais empreendimentos beneficiados com terrenos e incentivos estão sendo atendidos com espaços em outros parques de Apucarana (Galan e Pirapó).

O prefeito Beto Preto relatou que das nove indústrias beneficiadas para o Parque da Juruba, oito são do setor de confecções e uma na área de fabricação de máquinas e equipamentos para a agricultura e a pecuária. Ele frisou que a expectativa é de que a primeira etapa do parque possa ser inaugurada já no início do próximo ano. “Assim que isso ocorrer, essas empresas poderão dar início imediato à expansão de seus investimentos na cidade, gerando novos investimentos, emprego e renda para o município”, esclareceu o prefeito. Ele destacou que este é o primeiro parque industrial que é liberado com asfalto e toda a infra estrutura adequada. “Também vamos trabalhar para garantir uma rede lógica mais eficiente, visando atender a demanda dos industriais”, anunciou.

No evento, o empresário Adele Garcia Junior parabenizou o prefeito Beto Preto, o vice Junior da Femac, o secretário Édison Estrope e Marcelo Eliezer pelo novo parque industrial. “Apucarana precisava muito de um parque industrial com essa estrutura”, assinalou Adele Junior.

Wanderlei Faganello, vice-presidente da Acia, destacou que se trata de um momento histórico para Apucarana. “Em nome da Acia e seu presidente, Jayme Leonel, cumprimento o prefeito Beto Preto e toda a sua equipe pela grandiosa conquista para a cidade, os trabalhadores e os empreendedores”, afirmou. Elisabete Ardigo, presidente do Sivale, agradeceu pelo segmento de confecções. “Também sou do ramo e queria levar minha empresa para lá. O parque é completo e vai permitir a geração de mais empregos”, pontuou a empresária.

O deputado estadual eleito Arilson Chiorato disse que se trata de uma nova etapa na industrialização de Apucarana. “Além de toda uma estrutura adequada, o Parque da Juruba está nascendo ao lado do novo Residencial Fariz Gebrim, ou seja, a mão de obra poderá estar próxima do local de trabalho”, discursou Chiorato.

O secretário da Fazenda, Marcello Machado, frisou que a gestão do prefeito Beto Preto trabalha com os pés no chão. “O planejamento é indispensável e só a partir do momento em que estão garantidos os recursos é que as obras são autorizadas e consolidadas. Neste caso trata-se de um investimento de R$ 10 milhões, para conclusão de todas etapa do Parque da Juruba”, anunciou.

O vice-prefeito Junior da Femac, disse ter orgulho de fazer parte desta gestão. “O Prefeito Beto Preto pensou neste parque em 2012, e agora ele começa a ser concretizado, e já nasce no conceito de cidade industrial, com espaço para o Sesi, Sebrae, agência bancária e com toda uma estrutura de serviços”, enfatizou Junior da Femac.

INVESTIMENTOS – A projeção, de acordo com as propostas aprovadas pelos vereadores, é de que os nove empreendimentos juntos invistam pelo menos R$5 milhões na construção de suas novas plantas, ocupando terrenos industriais que vão de 1.323,97 metros quadrados a 3,5 mil metros quadrados, resultando em aproximadamente 17.045,10 mil metros quadrados de ocupação. “São indústrias que intencionam investimentos estruturais iniciais entre R$180 mil e R$1.850.000,00”, relata Edson Estrope, secretário Municipal da Indústria e Comércio.

O faturamento anual do primeiro lote de empresas ultrapassa os R$31,5 milhões. “São empresas de vários portes, que declararam faturar entre R$900 mil e R$12 milhões por ano”, conta o secretário, lembrando que antes se serem aprovadas pelos vereadores, todas as propostas já haviam recebido parecer favorável da Comissão Municipal de Desenvolvimento Econômico (CMDE) para se instalarem no Parque Industrial da Juruba.

A expectativa é de que pelo menos 200 empregos diretos sejam gerados inicialmente pelas empresas: AN 4 Jeans; Isaias A de Oliveira – Confecção; V.S. Indústria e Comércio de Confecções Ltda.; Braforte Indústria e Comércio de Tecidos e Confecções; Rhinosize Confecções Ltda; Ramos Indústria e Comércio de Confecções; WE Confecções e Comércio de Bonés Ltda.; e Dedike Equipamentos Ltda; e Universo do Rock Ltda.

Outros parques – Além dos primeiros empreendimentos da Cidade Industrial, o prefeito Beto Preto também sancionou lei de cessão de área e incentivos do Prodea a outras quatro indústrias, sendo três no Parque Industrial Galan: Original Couro Ltda, especializada na fabricação de produtos derivados de couro, que receberá área de 1.417,82 metros quadrados. Com faturamento anual de R$4.840.000,00, projeta investir R$5,3 milhões na construção de sua planta industrial; BBR Agro Suplementos Ltda, que atua no ramo de fabricação de óleos vegetais, que receberá duas áreas (2.740,40 m² e 2.738,98 m²), totalizando 5.479,38 metros quadrados. A empresa, que tem faturamento anual de R$9 milhões, projeta investir R$1,42 milhão na construção de sua planta industrial; e Blue Ocean Confecções Ltda, que atua no rami de confecções (alvejamento, tingimento e torção de fios, tecidos, artefatos têxteis e peças do vestuário), receberá área de 1.640, 95 metros quadrados. Com faturamento anual de R$1,2 milhão, projeta investir R$2 milhões na construção de sua planta industrial. E a quarta empresa beneficiada, foi a K.X.V. Zambrano Embalagens, que receberá área de 1.319,98 metros quadrados na Gleba Pirapó. Com faturamento anual na ordem de R$475 mil, a proposta da indústria de chapas e embalagens de papelão ondulado é investir cerca de R$950 mil na expansão de suas atividades em Apucarana.

Primeira etapa da Cidade Industrial deve ser liberada em janeiro

Com área total de 556 mil metros quadrados, o terreno do Parque Industrial da Juruba/Cidade Industrial de Apucarana, fazia parte da antiga Fazenda Juruba, e é apontado como o principal projeto para a expansão industrial do Município. “Contará com rede de água, esgoto, energia elétrica compatível com atividades industriais, rede telefônica e de fibra ótica, iluminação e pavimentação asfáltica”, lembra o prefeito Beto Preto (PSD).

A primeira etapa do empreendimento, projetado para um total de 237 lotes com áreas entre mil e dois mil metros quadrados, prevê a liberação de 31 lotes já para o início do próximo ano. “Contratamos uma empreiteira especializada para dar forma a esta estruturação”, detalha o prefeito Beto Preto. O investimento é na ordem de R$ 535.623,98, com recursos do próprio município e a responsável pelo trabalho é a Romo Pavimentadora Ltda. Já a estimativa da prefeitura para a estruturação completa do parque – que será feita em quatro etapas – é de que serão necessários cerca de R$10 milhões.

Fonte: AN Notícias com PM Apucarana

Galeria de Imagens