Carregando...

Alerta!

logo Ônibus de Curitiba só podem rodar com passageiros sentados - Notícias - AN Notícias Ônibus de Curitiba só podem rodar com passageiros sentados - Notícias - AN Notícias

Apucarana, 11 de Agosto de 2020

SAIBA MAIS

Dia da Consciência Nacional - Dia da Pintura - Dia do Empregado - Dia do Garçom - Dia do Direito e do Advogado -
01/07/2020 06h13

Ônibus de Curitiba só podem rodar com passageiros sentadosOs ônibus do transporte coletivo de Curitiba somente poderão circular com lotação de passageiros sentados a partir desta quinta-feira (2/7)

Diminuir texto Diminuir texto Diminuir texto

Os ônibus do transporte coletivo de Curitiba somente poderão circular com lotação de passageiros sentados a partir desta quinta-feira (2/7). Ao atingir o limite dos bancos, os ônibus só poderão parar para desembarque. À medida que sobrarem assentos, os veículos voltam a receber novos passageiros. A determinação já foi repassada à empresas pela Urbs, gestora municipal do sistema público de transporte.

A medida, válida pelos próximos 14 dias, cumpre determinação prevista nos decretos 870/2020 da Prefeitura de Curitiba e 4.942 do Governo do Estado, que estabeleceram regras mais rígidas para o combate à covid-19.

As empresas que desrespeitarem a regra e transportarem além do limite serão multadas. O sistema opera com 9,5 mil viagens por dia e a multa prevista é de R$ 50 por infração.

Reforços

Segundo a Urbs, o transporte coletivo vai manter a programação de linhas, com os reforços que já vinham sendo feitos e ainda ônibus reservas a postos para entrarem em operação em caso de necessidade.

De acordo com os decretos, somente passageiros que trabalham ou usam serviços essenciais devem utilizar o transporte coletivo nos próximos 14 dias. Os decretos estabeleceram o fechamento, por exemplo, de shopping centers, comércio de rua, galerias, feiras, salões de beleza, academias, bares e casas noturnas.

“Com o cumprimento dos decretos, a expectativa é que tenhamos uma queda significativa no número de usuários no sistema, já que 70% deles são dos setores de comércio e serviços”, explica o presidente da Urbs, Ogeny Maia.

De acordo com ele, é preciso contar com o bom senso da população e dos setores econômicos incluídos nas restrições da quarentena.

Fonte: AN Notícias com ContraPonto

Galeria de Imagens