Carregando...

Alerta!

logo A casa dos sete tigres no Paraná; Tigre que atacou menino era de Maringá - Notícias - AN Notícias A casa dos sete tigres no Paraná; Tigre que atacou menino era de Maringá - Notícias - AN Notícias

Apucarana, 19 de Outubro de 2018

SAIBA MAIS

Dia da Juventude Missionária - Aniversário de Piauí - Dia do Securitário - Nasceu Bento Gonçalves e Dia do Guarda Noturn -
11/08/2014 08h59

A casa dos sete tigres no Paraná; Tigre que atacou menino era de MaringáDo mantenedouro de Maringá saiu o tigre Hu, que atacou o menino de 11 anos

Diminuir texto Diminuir texto Diminuir texto
Ary Marcos Borges da Silva tem sete tigres no quintal de casa. Os animais de “estimação” vivem há sete anos em Maringá, no Norte do Paraná. A família cresceu depois que Ary adotou um casal desses felinos que sofria maus-tratos em um circo em trânsito pela cidade. Logo vieram os filhotes. Neto do casal, Hu foi doado há três anos para o zoológico de Cascavel, onde há duas semanas atacou um menino que pulou a grade de segurança e se aproximou do recinto onde ele estava.

Todos os tigres de Ary nasceram no mantenedouro, permanecendo sob autorização do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), e passaram a conviver com os cães que já moravam no local, onde ele mantém um canil. Assim como aprendeu a lidar com os cachorros, o maringaense disse que também foi aprendendo a cuidar dos felinos. Sem medo e com bastante carinho, de acordo com ele, os animais aprenderam a aceitá-lo e a respeitá-lo, inclusive o tom de voz.

Silva conta que no início chegou a abrigar 17 tigres. Os animais eram levados pelo Ibama após apreensão em locais proibidos ou por maus-tratos dos antigos cuidadores. O problema, segundo ele, é que muitos chegavam doentes e acabavam prejudicando a saúde dos outros. Um dos tigres, conta ele, chegou ao mantenedouro com aids felina, uma doença que ataca os sistema imunológico do animal, deixando-o vulnerável às outras doenças. Após ter uma fêmea do local infectada pelo vírus, ele passou a recusar os bichos.

A reprodução também deixou de ser realizada no local. No ano passado, por determinação da Justiça, alegando que o espaço era impróprio para o aumento da espécie, o nascimento de tigres foi proibido por lá, ficando a cargo somente de zoológicos e criadores científicos.

Os animais que restaram continuam fascinando os visitantes, que têm a oportunidade de ver de perto um bicho tão grande e feroz, já que o município não possui um zoológico. Por semana, cada um consome cerca de 30 quilos de carne e 10 litros de leite misturado à ração de gato.

Criador e criação vivem um relacionamentos de respeito. O homem até se arrisca, puxando as “bochechas” e mordendo a boca de Baruck, um tigre de 6 anos e mais de 350 quilos, mas garante que sabe o limite para manter a segurança. “Eles, para mim, são como cães, gatos, mas está no DNA do animal atacar caso se sinta coagido. É preciso respeito”, enfatiza ele e garante que nunca houve registro de incidentes por lá.

O veterinário Luiz Almodin, especialista em animais silvestres, visitou o mantenedouro algumas vezes e diz que mesmo tendo costume com o bicho, é preciso manter os olhos abertos. “Para garantir que um animal desse porte tenha tranquilidade, é preciso que seja bem alimentado, que não sofra maus-tratos, mas isso não elimina o risco de um ataque. Não dá para se expor.”

Seguindo a recomendação, o tratador José Alves Fernandes Reis trabalha no local desde a chegada dos primeiros moradores e diz que mesmo estando acostumado com tigres, preserva o cuidado. “No começo eu tinha medo; hoje, não. Mas não abuso.”

Menino retoma a vida em SP e quer voltar à escola

Vrajamany Rocha, de 11 anos, que teve o braço direito amputado na altura do ombro após ser atacado pelo tigre Hu dia 30 de julho quando tentava dar comida ao animal no zoológico de Cascavel, continuará o tratamento em uma clínica médica de São Paulo, onde trabalha a madrinha dele. O menino ultrapassou a grade de proteção para acariciar e alimentar o felino. O incidente ocorreu durante passeio de férias em Cascavel, onde o pai dele mora. O menino mora na Zona Norte de São Paulo com a mãe e o padrasto.

Segundo a mãe dele, Mônica Fernandes Santos, de 37 anos, Vrajamany recebeu pelo Facebook muitas mensagens de apoio dos colegas da escola. Ele está ansioso para voltar a estudar, mas ainda não há previsão para isso. Destro, o menino terá que aprender a escrever com a mão esquerda. Mônica atribui o acidente a uma fatalidade provocada pela empolgação do filho com a beleza do animal. Após o acidente, a preocupação dele era com o bem-estar do tigre.

Após o ataque, Hu chegou a ser transferido para uma área de manejo e foi devolvido à jaula na segunda-feira. Hu tem 3 anos de idade e está no zoo desde os oito meses.

Em interrogatório feito pela Polícia Civil de Cascavel na sexta-feira, o pai do menino, Marcos do Carmo Rocha, foi orientado pelo seu advogado a se manter calado em boa parte do depoimento. Segundo o delegado Denis Merino, Rocha silenciou quando questionado sobre os detalhes dados por testemunhas.

Fonte: AN Notícias com Gazeta do Povo

Galeria de Imagens