Carregando...

Alerta!

logo Homem de 65 anos sobrevive 12 dias comendo insetos no Amazonas - Notícias - AN Notícias Homem de 65 anos sobrevive 12 dias comendo insetos no Amazonas - Notícias - AN Notícias

Apucarana, 25 de Junho de 2018

SAIBA MAIS

Dia da Empregada Doméstica - Dia do Antinatal (satanistas) - Dia do Quilo - Dia do Imigrante -
22/08/2014 09h53

Homem de 65 anos sobrevive 12 dias comendo insetos no AmazonasUm engenheiro civil de 65 anos passou 12 dias perdido na floresta amazônica e sobreviveu comendo insetos

Diminuir texto Diminuir texto Diminuir texto
Um engenheiro civil de 65 anos passou 12 dias perdido na floresta amazônica e sobreviveu comendo insetos, como abelhas e moscas, até ser encontrado na última terça-feira (19), no Amazonas, próximo ao Pará. Gileno Vieira da Rocha, 65, havia desaparecido no dia 7 de agosto no município de Apuí (a 453 km de Manaus). Ele trabalhava na obra de um ginásio esportivo na Vila de Sucunduri, às margens da rodovia Transamazônica, localizada a 110 km de Apuí, no sudeste do Estado.

Segundo a polícia, Rocha deixou o hotel onde estava hospedado na vila após um desentendimento com moradores locais. Temendo ser seguido, passou a andar pela região até entrar na floresta e se perder. "Ele conta em depoimento que ficou aflito, temendo retaliações. Pegou duas caronas e saiu da estrada, pois achava que podia ser seguido. Foi quando entrou na floresta e se perdeu", diz o delegado de Apuí, Francisco Rocha.

Policiais, bombeiros e cães farejadores vasculharam a área, sem sucesso. Enquanto isso, Rocha sobrevivia comendo o que encontrava, como palmito e insetos. Mas sofria com escoriações e a falta do sapato, deixado de lado para poder nadar no rio. Rocha foi localizado na última terça-feira (19) por um morador da própria Vila do Sucunduri, perto de onde ele partira --desorientado, acabou andando praticamente em círculos por cerca de 30 km. Estava quase inconsciente e com várias feridas pelo corpo.

Sem os sapatos, acumulou calos, bolhas e espinhos. As feridas pelo corpo todo, abertas, foram invadidas por tapurus (vermes). Apesar do trauma, ele se recupera em casa. "Pela idade dele, 12 dias sozinho na floresta é um período realmente longo", diz o delegado. "Por sorte, ele é oriundo do interior, da cidade de Manicoré, no Amazonas. E quem é do interior sempre tem alguma experiência com selva." A polícia diz que vai investigar o que motivou a saída apressada do engenheiro civil da Vila do Sucunduri.

Fonte: AN Notícias com Bem Paraná

Galeria de Imagens