Carregando...

Alerta!

logo Menino atacado por tigre pediu para que não matasse o animal, diz pai - Notícias - AN Notícias Menino atacado por tigre pediu para que não matasse o animal, diz pai - Notícias - AN Notícias

Apucarana, 12 de Dezembro de 2018

SAIBA MAIS

Aniversário de Belo Horizonte - Dia da Bíblia - Dia de Nossa Senhora de Guadalupe Dia de Santa Dionísia -
04/08/2014 10h41

Menino atacado por tigre pediu para que não matasse o animal, diz paiEle falou assim: 'não mata o tigre'. Sem o braço! Ele só pensou no tigre em primeiro lugar", diz Pai

Diminuir texto Diminuir texto Diminuir texto

O pai do menino que foi atacado por um tigre no Zoológico de Cascavel, na região oeste do Paraná, Marco Carmo Rocha, diz que a primeira coisa que seu filho falou depois do acidente foi um pedido para que ele não matasse o tigre. "Sabe o que ele gritou, a primeira hora que ele falou que estava sem o braço? Ele falou assim: 'não mata o tigre'. Sem o braço! Ele só pensou no tigre em primeiro lugar". A criança teve o braço direito amputado na altura do ombro, após o ataque na quarta-feira (30).

Imagens feitas por visitantes mostram o garoto alimentando um leão antes do acidente com o tigre. Rocha explica de onde veio o osso de galinha que seu filho ofereceu ao leão, pouco antes de ser mordido pelo tigre. "A gente tinha almoçado em um restaurante pouco antes e eles têm o hábito de pegar os ossos para os cachorros. Almoça e leva os ossos para dar para os cachorros".

Rocha diz que não viu o filho pular a cerca para se aproximar do leão, mas que o viu com o animal e achou a situação tranquila. "Quando eu vi a situação, eu vi que estava sob controle. O leão estava muito tranquilo com ele e as pessoas envolvidas com a situação de certa maneira assim, gostando, eu digo. O leão estava muito manso, eu estava prestando atenção nele, cuidado dele, com o pequeno no colo, mas achei uma situação tranquila”.

O pai diz que avisou para o filho tomar cuidado com os animais e não entrar mais na área proibida quando ele brincava com o leão. “Eu falei para ele que não entrasse mais. Eu falo com ele sempre de uma maneira muito calma, quando ele saiu eu falei para que ele não entrasse. Por várias vezes ele entrou e eu falei para ele não entrar", conta.

Sobre o momento em que o filho estava perto da grade do tigre, comenta: "ele estava empolgado e com um pouco de teimosia".

"Quando aconteceu de novo, que ele estava mexendo com o tigre, eu estava com o pequenininho no colo, e o pequenininho se envolvendo, podia acabar querendo fazer igual. Foi um lapso distante, de repente aconteceu aquilo, quando eu vi, já estava acontecendo aquela tragédia. Ninguém sabe o que eu sinto, a dor que eu tenho", lamenta.

"Eu tentei fazer o que pude pelo meu filho. Eu coloquei a mão na boca, enfiei o dedo no olho do tigre. E ele não se mexeu, eu enfiei no outro, achei que funcionasse. Ele nem ligou, o tigre", conta.

Rocha estava com o menino de férias na cidade, eles são de São Paulo e o filho mais novo mora com a mãe em Cascavel. Ele contou que apesar de ter orientado o filho sobre o perigo, não havia proteção para a criança não se aproximar das jaulas. "Aquela cerca e nada é a mesma coisa. Ele é maiorzinho e já tinha dado uma volta no zoológico sozinho", conta o pai.
 

"Eu peço a Deus que ajude o meu filho e que isso nunca aconteça com alguém, porque é terrível o que aconteceu com o meu filho é algo que eu não consigo passar. Eu estou muito abalado, estou muito triste, é uma tristeza que não tem como dizer em palavras. Estou me sentindo mal".

Rocha disse que vai tentar conseguir uma prótese para o filho. "Eu vou lutar pra isso agora, para amenizar. Fazer tudo o que for possível pelo meu filho. É o meu interesse, é o meu único interesse. Agora eu só penso nele e tudo o que eu quero é estar com o meu menino. Amo demais o meu filho”, se emociona.

Ataque
O garoto, de 11 anos, estava em uma área proibida, próximo à jaula do felino na hora do ataque. Ele ficou gravemente ferido e precisou ter o braço direito amputado na altura do ombro. Segundo o hospital, o estado de saúde da criança é estável e deve receber alta na terça-feira (5).

O menino estava acompanhado do pai, que, segundo testemunhas, deixou a criança brincar perto dos animais. Ele chegou a ser detido na quarta para prestar esclarecimentos, mas foi liberado em seguida.

A Polícia Civil investiga se o acidente em Cascavel foi causado por omissão do pai, ou da guarda do zoológico. Eles podem responder pelo crime de lesão corporal, de acordo com o andamento do inquérito.
 

O Delegado Denis Merino, que investiga o caso, disse que em depoimento o pai afirmou que não viu o menino perto da jaula. "O pai do menino disse que estava cuidando do outro filho dele, de três anos, que reside aqui em Cascavel, quando o maior, de 11 anos, se desvencilhou e estava nas proximidades. Tão logo ele percebeu que o animal atacou a criança, ele o socorreu", contou o delegado.

O delegado pretende ouvir a guarda patrimonial e as testemunhas para só depois decidir quem será responsabilizado pelo ataque do animal. "O código penal prevê que, quando o responsável legal é omisso, ele responde pelo resultado - no caso, o resultado foi uma lesão corporal grave. O pai e a guarda patrimonial - que deveria guardar o local para evitar o acesso de qualquer visitante naquela área - podem responder pelo crime de lesão corporal. A pena é de 2 a 5 anos", disse.

O diretor da Guarda Municipal de Cascavel, Lauri Dallagnol, disse que o guarda patrimonial não viu o garoto na área restrita porque estava fazendo ronda em outro local do zoológico. “Ele estava fazendo ronda no recinto dos macacos. Ele cuida de três recintos, então ele vem, faz a ronda neste local e vai para outro, faz a ronda e volta. Ele só viu a situação depois do fato consumado”, explicou.

Para o veterinário do zoológico, as grades são seguras. “O recinto atende as todas as especificações técnicas do Ibama, tanto para animais, quanto para os visitantes. A grade de 1,50 m está na norma técnica. O que aconteceu foi uma fatalidade”, concluiu Passos.

 

 

Fonte: G1

Galeria de Imagens