Carregando...

Alerta!

logo Caso de jovem queimada escancara o machismo que mata  - Notícias - AN Notícias Caso de jovem queimada escancara o machismo que mata - Notícias - AN Notícias

Apucarana, 22 de Março de 2019

SAIBA MAIS

Dia Mundial da Água - Dia de Santa Léia -
08/03/2019 11h05

Caso de jovem queimada escancara o machismo que mata Isabela Miranda de Oliveira estava desacordada quando teria sido abusada pelo cunhado

Diminuir texto Diminuir texto Diminuir texto

Ela não estava habituada a beber. Na companhia do namorado, foi a um churrasco, entrou numa brincadeira de virar shot e não se sentiu bem. Isabela Miranda de Oliveira foi levada pelas amigas para um quarto, na chácara onde ocorria o evento. Antes, tentaram dar um banho na moça para reanimá-la, mas Isabela estava desacordada.

Polícia apura morte violenta de jovem em churrasco na Grande SP

Neste estado, apagada, ao que tudo indica, ela teria sido abusada sexualmente por Leonardo, cunhado de seu namorado, Willian Felipe Alves. Ao ver a cena, o rapaz concluiu que a garota o estava traindo, espancou, queimou e matou a jovem de 19 anos. 

Ele teria tentado fugir do local, mas foi impedido pelo caseiro da chácara. Willian foi detido e teve a prisão temporária convertida em preventiva.

O 'menino maluquinho' ataca de novo: outro agressor alega surto

O roteiro do feminicídio do qual Isabela foi vítima fica ainda mais escabroso quando se tem a notícia de que, no boletim de ocorrência do caso, não há uma palavra sobre o suposto estupro cometido por Leonardo, o marido da irmã de Willian Felipe Alves.

Em mais um caso de "amnésia", ele disse em depoimento que não se recordava de nada e não soube explicar porque estava sem roupas na cama com Isabela.

Se agressor de mulher é louco, o Brasil virou um grande hospício

Segundo familiares da jovem, ela teria sido abusada sexualmente pelo cunhado, o namorado flagrou a cena, achou que o ato fosse consensual, espancou Isabela e, em seguida, ateou fogo. Testemunhas disseram que o cunhado também teria sido agredido pelo namorado da vítima. 

O feminicídio de Isabela Miranda de Oliveira escancara esse machismo que mata todos os dias. O namorado "viu" traição onde havia estupro e achou que isso era motivo para espancar e matar a jovem. Isabela foi duplamente violentada. Vulnerável que estava, teria sido atacada sexualmente sem a menor chance de defesa. E, diante da cena, o namorado preferiu achar que ela era "culpada" e não vítima. Como tantos machos por aí, Willian é do tipo que acredita que uma "traição" deve ser punida com morte. 

Mulheres ainda ganham 20,5% a menos do que homens, diz IBGE

É tudo tão perturbador que, em pelo Dia Internacional da Mulher, o caso ganha contornos ainda mais tristes. Mostra, de forma transparente, como ainda estamos longe de conseguir respeito pleno à vida das mulheres. Um homem mata por achar que foi traído, querendo vingança, quando a sua namorada possivelmente havia sido vítima de um estupro, cometido por um cara da sua família.

No 8 de Março, mulheres celebram mais de 200 anos de feminismo

Enquanto existir um só macho agindo assim, não é possível comemorar nada. Isabela é só mais uma em uma estatística estarrecedora. Levantamento realizado pela Folha de S.Paulo, e divulgado neste 8 de março, revela que 71% das mulheres vítimas de feminício e tentativas do crime foram atacadas pelo companheiro ou pelo ex. Foram analisadas 119 mortes ocorridas só em janeiro deste ano, mais 60 tentativas. Não aceitar o fim do relacionamento é a principal motivação para a violência, além de ciúmes e suposta traição. Até quando?

Fonte: AN Notícias com R7