Carregando...

Alerta!

logo Percepção de que Brasil está no rumo errado supera fase do impeachment - Notícias - AN Notícias Percepção de que Brasil está no rumo errado supera fase do impeachment - Notícias - AN Notícias

Apucarana, 16 de Outubro de 2018

SAIBA MAIS

Dia Mundial da Alimentação - Dia da Ciência e da Tecnologia - Dia de São Geraldo Magela - Dia do Eletricista -
29/06/2017 11h01

Percepção de que Brasil está no rumo errado supera fase do impeachmentPercepção atinge nível recorde, diz pesquisa

Diminuir texto Diminuir texto Diminuir texto
A percepção de que o Brasil não está no caminho certo atingiu o maior nível já alcançado, superando o recorde anterior, registrado durante os últimos meses de governo da ex-presidente Dilma Rousseff, segundo uma pesquisa feita pela consultoria Ipsos e divulgada nesta quinta-feira.

De acordo com o levantamento, 95% dos brasileiros consideram que o país segue no rumo errado. O índice é superior ao verificado durante março do ano passado (94%), antes, portanto, de que a petista fosse suspensa temporariamente e posteriormente afastada em definitivo do cargo.

A pesquisa 'Pulso Brasil' conduziu 1,2 mil entrevistas, pessoais e domiciliares, em 72 municípios no Brasil durante os dias 1º e 13 de junho deste ano. A margem de erro é de três pontos percentuais.

"Não vemos nenhuma fagulha de esperança por parte da população quanto à melhora nos rumos do país. A avaliação da esmagadora maioria da população é fortemente negativa", diz à BBC Brasil Danilo Cersosimo, diretor da Ipsos Public Affairs, responsável pelo estudo.

Entre os que consideram que o país está no caminho certo (5%), houve uma piora na avaliação das classes A, B e C em relação a maio. Para as classes D e E, foi registrada uma ligeira melhora.

Ainda na mesma base de comparação, todas as regiões, com exceção do Nordeste, também tiveram mais pessoas apontando que o Brasil está no rumo errado.

A avaliação dos brasileiros sobre o governo federal também piorou. Para 84% dos entrevistados, o governo Temer é considerado "ruim ou péssimo", outro número recorde.

Até então, a pior avaliação havia ocorrido em setembro de 2015, quando 82% descreviam a administração de Dilma Rousseff dessa forma.

Segundo a pesquisa, 12% consideram o governo como "regular". Apenas 2% avaliam a gestão de Temer como "ótima ou boa". Os 2% restantes não souberam ou não responderam.

Lava Jato

Para 96% dos entrevistados, a operação Lava Jato deve continuar "com as investigações até o fim, custe o que custar".

Entre eles, 95% defendem a continuidade das investigações "mesmo que isso traga mais instabilidade política" enquanto que a operação é apoiada por 94% "mesmo que isso traga mais instabilidade econômica".

Segundo a pesquisa, um número maior de brasileiros (74%) acredita que a Lava Jato "está investigando todos os partidos". Em maio, a proporção era de 66%.

Já o porcentual dos que discordam caiu de 21% para 15%.

Também aumentou a proporção (para 82%) dos que consideram que a operação "está mostrando que todos os partidos são corruptos".

Na mesma base de comparação, mais brasileiros acham que a Lava Jato ajuda a "transformar o Brasil em um país sério" (79% contra 74%).

Metade dos entrevistados (50%) discorda da afirmação de que a operação "vai acabar em pizza". Em maio, esse número havia sido de 47%.

Cresceu ainda a percepção de que as lideranças políticas estão tentando acabar com a Lava Jato.

Em maio, 83% concordavam com essa possibilidade. Em junho, esse porcentual subiu para 89%.

Já 87% consideram que a Lava Jato vai "fortalecer a democracia no Brasil".

Para 64% dos brasileiros, o PT continua sendo o partido mais associado à Lava Jato - alta de sete pontos percentuais em relação ao mês anterior.

PMDB (12%) e PSDB (3%) completam a lista. Não sabe ou não responderam somam 17%.

Quando questionados sobre quem consideram o nome "mais envolvido na operação", 57% dos entrevistados afirmaram ser o ex-presidente Lula.

O petista é seguido por Aécio Neves (44%), Michel Temer (43%), Dilma Rousseff (35%), Eduardo Cunha (33%), Renan Calheiros (9%), José Serra (4%), Geraldo Alckmin (3%), Fernando Henrique Cardoso (2%), Romero Jucá (2%), Rodrigo Maia (2%), Marina Silva (1%), Gilmar Mendes (1%) e Jair Bolsonaro (1%).

Fonte: AN Notícias com Terra