Carregando...

Alerta!

logo Feder recusa convite de Bolsonaro para ocupar o MEC - Notícias - AN Notícias Feder recusa convite de Bolsonaro para ocupar o MEC - Notícias - AN Notícias

Apucarana, 11 de Agosto de 2020

SAIBA MAIS

Dia da Consciência Nacional - Dia da Pintura - Dia do Empregado - Dia do Garçom - Dia do Direito e do Advogado -
05/07/2020 06h35

Feder recusa convite de Bolsonaro para ocupar o MECO secretário estadual da Educação, Renato Feder, escreveu esta tarde (domingo, 5) no Facebook que não aceitou o segundo convite feito pelo presidente Jair Bolsonaro

Diminuir texto Diminuir texto Diminuir texto
O secretário estadual da Educação, Renato Feder, escreveu esta tarde (domingo, 5) no Facebook que não aceitou o segundo convite feito pelo presidente Jair Bolsonaro para ser seu ministro da Educação. O primeiro convite é da semana retrasada, quando foi recebido pelo presidente e já se dava como o escolhido para suceder o fugitivo Abraham Weintraub – mas foi surpreendido em seguida pela nomeação do plagiário Carlos Alberto Decotelli.

Nomeado, Decotelli nem chegou a assumir o ministério: vagou no limbo durante quase uma semana tentando explicar o inexplicável – os títulos acadêmicos que, embora não existissem, constavam de seu currículo, e os inúmeros casos de plágio encontrados em artigos e teses que assinou. Decotelli pediu demissão e, de novo, o MEC se viu sem titular.

Diante do fato, Bolsonaro repetiu o convite a Renato Feder. Na noite de quinta-feira (2), o secretário recebeu a ligação do presidente, mas ouviu como resposta um definitivo não: Feder disse ao presidente que preferia continuar à frente da secretaria de Educação no governo de Ratinho Jr.

Foi uma decisão prudente: Feder já vinha sendo alvo de fritura prévia de setores influentes no Planalto, como a ala ideológica liderada pelo “filósofo” Olavo de Carvalho, de evangélicos e de militares. Dificilmente teria condições de colocar de pé de seus projetos de gestão da educação nacional que descreveu no livro “Carregando o Elefante – Como transformar o Brasil no país mais rico do mundo”, no qual prega que a iniciativa privada pode oferecer ensino melhor que o público.

Mais cedo, Renato Feder havia publicado na mesma página do Facebook um longo texto em que renega os pensamentos contidos no livro – “mudei de opinião sobre as ideias contidas nele” – e procura desfazer informações veiculadas nos últimos dias a respeito de sua biografia, que considera falsas.

Fonte: AN Notícias com ContraPonto