Carregando...

Alerta!

logo Antipetista, delegado que atacou acampamento diz não aguentar mais o barulho - Notícias - AN Notícias Antipetista, delegado que atacou acampamento diz não aguentar mais o barulho - Notícias - AN Notícias

Apucarana, 16 de Outubro de 2018

SAIBA MAIS

Dia Mundial da Alimentação - Dia da Ciência e da Tecnologia - Dia de São Geraldo Magela - Dia do Eletricista -
05/05/2018 11h52

Antipetista, delegado que atacou acampamento diz não aguentar mais o barulhoGastão mora exatamente ao lado do acampamento

Diminuir texto Diminuir texto Diminuir texto

A proximidade entre o acampamento pró-Lula e a casa do delegado Gastão Schefer Neto, da Polícia Federal, era a garantia de que em algum momento haveria um confronto. Antipetista de carteirinha, Schefer já foi candidato a deputado federal tendo como plataforma o direito de os cidadãos se armarem. Embora diga que neste ano não é candidato, está alinhado com os candidatos mais à direita para a Presidência.

Gastão mora exatamente ao lado do acampamento. E nesta sexta o confronto finalmente aconteceu. O delegado passou pelo acampamento Marisa Letícia bem no momento em que os manifestantes gritam sonoros “Bons Dias” ao presidente preso na sede da PF, no Santa Cândida. Derrubou as caixas de som enquanto o trompetista tocava “Olê, olá, Lula-lá”.

O delegado foi contido por seguranças do acampamento (o locutor de um vídeo feito ao vivo diz que eram sem-terra). Gastão diz que foi vítima de violência. A versão do acampamento é bem diferente. Nesta sexta à noite, o blog conversou com Gastão para saber por que ele fez o que fez.

“Hoje, por volta das 9 horas da manhã fiquei vendo minha filha chorar por causa do barulho excessivo e dos gritos dos manifestantes. Estava indo para a PF como faço todos os dias e não aguentando mais o barulho acabei derrubando as caixas de som. As caixas não quebraram, só caíram”, diz ele.

Na versão dos responsáveis pelo acampamento, Gastão “aproximou-se aos berros da esquina” onde os manifestantes estavam “ameaçando a todos e todas que ali estavam”. Na sequência, quebrou o equipamento de som utilizado nos atos.

Leia mais: Alvaro Dias lidera no Sul, mas vai mal em outras regiões

Gastão, que tem uma filha de dois meses, diz que já é o quarto vizinho a entrar em confronto com o acampamento (nenhum havia chegado tão longe). Diz que ninguém mais aguenta o barulho dos manifestantes. Quanto à reação dos seguranças do acampamento, ele afirma que levou chutes, socos e um mata-leão. O delegado fez um exame de corpo delito que mostrará exatamente o que ocorreu.

Do ponto de vista de quem está no acampamento, foi mais um ataque à manifestação a favor do ex-presidente Lula. Há poucos dias, um sujeito atirou contra o acampamento, mandando para a UTI um manifestante atingido por um projétil no pescoço – outra manifestante foi atingida por estilhaços de um banheiro químico atingido pelas balas.

A “Vigília Lula Livre” diz exigir que Gastão seja punido pela Polícia Federal. “Independentemente das sanções penais cabíveis pela agressão praticada pelo delegado Gastão Schefer, a Polícia Federal tem a obrigação de tomar as medidas disciplinares em relação ao seu delegado que agrediu manifestantes pacíficos. Do contrário, a instituição se tornará cúmplice de mais este atentado.”

Fonte: AN Notícias com Gazeta do Povo

Galeria de Imagens