Carregando...

Alerta!

logo Popularidade de Fruet cai após os protestos - Notícias - AN Notícias Popularidade de Fruet cai após os protestos - Notícias - AN Notícias

Apucarana, 29 de Novembro de 2020

SAIBA MAIS

Dia do Café - Dia da Solidariedade dos Povos Palestinos - Dia Nacional da Albânia -
28/07/2013 05h17

Popularidade de Fruet cai após os protestosFruet teve uma queda de 11 pontos porcentuais em sua popularidade

Diminuir texto Diminuir texto Diminuir texto
Levantamento do Instituto Paraná Pesquisas, realizado a pedido da Gazeta do Povo, mostra que atualmente 55% dos eleitores curitibanos aprovam a gestão do prefeito Gustavo Fruet (PDT), ante 39% que a desaprovam. Em comparação com uma sondagem do mesmo instituto feita em abril, Fruet teve uma queda de 11 pontos porcentuais em sua popularidade.  

O prefeito de Curitiba segue uma tendência verificada com outros políticos, após a onda de protestos que atingiu o país em junho. Pesquisas de diferentes institutos têm mostrado um descontentamento geral com a classe política. Na quinta-feira, pesquisa Ibope mostrou que houve queda na avaliação da presidente Dilma Rousseff de 55% para 31%. Os governadores também foram mal avaliados. Dez entre onze tiveram aprovação inferior à metade da população.

Sangria

“Os políticos com mandato executivo continuam sangrando. Mas essa não é uma grande preocupação para Fruet”, diz o diretor da Paraná Pesquisas, Murilo Hidalgo. Para ele, a aprovação do prefeito é até superior à média dos governantes. O dado mais negativo para o prefeito, diz Hidalgo, está na percepção de 29% dos entrevistados que consideram a gestão Fruet pior do que o esperado, contra 21% que a consideram melhor. “A expectativa em torno dele era muito grande. Isso acaba sendo ruim para o prefeito. Há um sentimento de que as coisas não vão da forma que eram esperadas.”

Essa percepção aparece em outro indicador. Para 40% dos eleitores curitibanos, o pedetista não vem cumprindo suas promessas de campanha. As críticas ao prefeito são alavancadas especialmente por uma área: a saúde. Na sondagem espontânea, quando as pessoas dizem o que pensam sem nenhum estímulo do pesquisador, 30% dos entrevistados disseram que Fruet não tem investido o suficiente no atendimento médico da população. Na estimulada, quando o entrevistador apresenta opções, 60% afirmaram que a saúde é a área para a qual o prefeito deveria dar mais atenção.

Por outro lado, 17% dos entrevistados entendem que Fruet concentrou seus esforços majoritariamente no transporte público. A redução da tarifa de ônibus é a realização do prefeito mais lembrada pelos curitibanos. Mas foi citada por um número baixo de pessoas: apenas 8,76% dos entrevistados.

Procurado pela reportagem, Fruet disse que não comenta pesquisas. Mas fez uma análise de seus sete primeiros meses à frente da prefeitura. Entre os destaques, apontou justamente a saúde. Segundo ele, mesmo com um cenário financeiro ruim, que teria sido herdado da gestão anterior, a área recebeu atenção especial, disse o prefeito. “Fizemos um grande aumento de custeio na saúde. Desde junho, chegamos a mais de 40 equipes de saúde da família, chegamos a dez unidades de saúde abertas até as 22 horas, fizemos o Cajuru 100% SUS, fizemos o Instituto da Mulher no Bairro Novo e aumentamos os atendimentos no Hospital do Trabalhador.”

A polêmica sobre o subsídio estadual para as tarifas de transporte público e as manifestações pelo passe livre nos ônibus foram citadas pelo prefeito como “momentos negativos” de sua gestão. Apesar disso, o prefeito citou como positivos o conjunto de 11 projetos de mobilidade urbana formatados em parceria com o governo federal. “Temos a retomada do projeto do metrô, passando pela reestruturação do VLP [veículo leve sobre pneus].”

Fruet também destacou que, desde junho, começaram a sair os editais licitação de obras mais volumosas. “Para chegar nisso, foi um grande esforço de adequação financeiro. Retomamos os canais com os agentes financeiros. Curitiba não tinha financiamento para este ano. Só vamos recompor isso ano que vem.”


Fonte: Gazeta do Povo