Carregando...

Alerta!

logo Universidade Positivo demite professores e fecha cursos presenciais - Notícias - AN Notícias Universidade Positivo demite professores e fecha cursos presenciais - Notícias - AN Notícias

Apucarana, 22 de Outubro de 2020

SAIBA MAIS

Dia de Santa Maria Salomé - Dia Nacional do Vaticano - Dia Internacional do Radioamador e Dia do Pára-quedista -
16/07/2020 11h35

Universidade Positivo demite professores e fecha cursos presenciaisAs demissões se deram em diversos cursos, tanto nos presenciais quando nos Ensino a Distância (EAD)

Diminuir texto Diminuir texto Diminuir texto

Cinquenta professores de diversos cursos foram demitidos na manhã desta quinta-feira (16) da Universidade Positivo. A informação é do Sindicato dos Professores de Ensino Superior de Curitiba e Região Metropolitana (Sinpes). Segundo alguns dos demitidos, o desligamento é comunicado em reuniões de 10 minutos.

“A UP esperou a data limite para os docentes entregarem as notas dos alunos, cujo prazo foi a noite desta quarta-feira (15), para divulgar a lista de demitidos. Informações repassadas ao Sinpes destacam que já haveria uma lista com muitos nomes a serem desligados”, afirma o Sindicato.

As demissões se deram em diversos cursos, tanto nos presenciais quando nos Ensino a Distância (EAD). Informações repassadas ao Sinpes dão conta de que na graduação de Biologia sete professores foram desligados, Medicina (sete), Psicologia (quatro), Engenharia (três), Direito (dois), Publicidade e Propaganda (dois), Design (um) e todos os professores do curso de Educação Física.

Grande parte das demissões é resultado do fim dos cursos de licenciatura na modalidade presencial. A Universidade Positivo já confirmou aos professores do Sinpes que não oferecerá mais aulas presenciais nas graduações de Ciências Biológicas, Educação Física, Pedagogia, Química, Matemática e Física.

O Centro Acadêmico de Ciências Biológicas (CacBio) afirma que no meio da pandemia, os alunos estão sem informações. Há alunos com mais de 80% do curso de Biologia já concluído e existem estudantes fazendo trabalho de conclusão de curso que se questionam sobre o futuro.  Somente na licenciatura de Biologia cerca de sete professores formam demitidos.

Comprada pela Cruzeiro do Sul Educacional em dezembro de 2019, quando à época a Universidade Positivo tinha cerca de 1,600 empregados e 33 mil alunos. As mudanças, aos poucos implementadas na universidade pelo grupo, que hoje é o quinto maior da educação privada no país, têm se refletido em constantes demissões, em redução de carga horária de professores e no fortalecimento da modalidade Ensino a Distância, segundo o Sinpes.

Ainda conforme o Sindicato, no início de julho, coordenadores de cursos foram demitidos em uma reunião de 5 minutos na qual foram informados de seu desligamento. Uma das despedidas foi a Coordenadora do Curso de Biologia da Universidade Positivo, a professora Ana Meyer.

Justificativas – Em resposta aos questionamentos sobre as demissões, o grupo Cruzeiro do Sul Educacional divulgou nota na qual justifica as demissões com o atual cenário econômico, em função da Covid-19. “Neste momento triste e sem paralelos de crise mundial que se abateu sobre o Brasil desde meados de março e atinge a praticamente todos os setores da economia, a Cruzeiro do Sul Educacional tem evitado tomar medidas mais drásticas, mesmo sofrendo com o aumento expressivo da inadimplência e da evasão, resultados do impacto da pandemia no emprego e na renda de seus alunos e famílias”, diz a nota.

“Justamente no momento da incorporação e integração da Universidade Positivo à Cruzeiro do Sul Educacional, o agravamento e prolongamento da crise econômica, somados às incertezas quanto ao próximo semestre, levaram o grupo a adotar uma adaptação de custos, inclusive e inevitavelmente de pessoal, de modo a manter e preservar minimamente a saúde financeira, a qualidade de sua operação e a pontualidade dos seus compromissos, assim como – e principalmente – os milhares de empregos que continuarão a ser gerados em um futuro que se espera próximo e melhor.”

A íntegra da nota:

“A Cruzeiro do Sul Educacional, uma das maiores organizações educacionais do Brasil, reconhecida por seus indicadores de qualidade no ensino e na pesquisa, atua desde 1965 no desenvolvimento e na formação de profissionais e cidadãos.

Durante os 55 anos de desenvolvimento deste projeto e da construção desta organização, sempre foi absoluta e intransigentemente fiel aos seus compromissos com a educação e seus alunos, parceiros, fornecedores, colaboradores e o poder público. Em todas estas décadas, nunca deixou de observar a pontualidade quanto aos seus compromissos e nem colocou de lado sua responsabilidade por cada colaborador.

Neste momento triste e sem paralelos de crise mundial que se abateu sobre o Brasil desde meados de março e atinge a praticamente todos os setores da economia, a Cruzeiro do Sul Educacional tem evitado tomar medidas mais drásticas, mesmo sofrendo com o aumento expressivo da inadimplência e da evasão, resultados do impacto da pandemia no emprego e na renda de seus alunos e famílias.

Justamente no momento da incorporação e integração da Universidade Positivo à Cruzeiro do Sul Educacional, o agravamento e prolongamento da crise econômica, somados às incertezas quanto ao próximo semestre, levaram o grupo a adotar uma adaptação de custos, inclusive e inevitavelmente de pessoal, de modo a manter e preservar minimamente a saúde financeira, a qualidade de sua operação e a pontualidade dos seus compromissos, assim como – e principalmente – os milhares de empregos que continuarão a ser gerados em um futuro que se espera próximo e melhor.

A Cruzeiro do Sul Educacional reconhece e agradece a valiosa contribuição dos colaboradores que estão, neste momento difícil para todos, sendo desligados. Ao mesmo tempo, tem a certeza de que continuará a desenvolver seu projeto nacional de qualidade com ainda mais afinco, assim como tem demonstrado ao longo dos últimos anos melhorando, sem exceção, os indicadores acadêmicos oficiais de todas as instituições de ensino incorporadas. Que este momento excepcional seja breve e que a retomada seja vigorosa, bem como demande um número muito maior de contratações”.

Fonte: AN Notícias com ContraPonto