Carregando...

Alerta!

logo Richa diz não ter compromisso de acomodar aliados no governo - Notícias - AN Notícias Richa diz não ter compromisso de acomodar aliados no governo - Notícias - AN Notícias

Apucarana, 18 de Outubro de 2018

SAIBA MAIS

Dia do Médico - Dia de São Lucas - Dia do Pintor - Dia do Estivador e Dia do Corretor de Seguros -
28/10/2014 08h42

Richa diz não ter compromisso de acomodar aliados no governoGovernador reuniu jornalistas no Palácio Iguaçu e disse esperar tratamento respeitoso do governo federal

Diminuir texto Diminuir texto Diminuir texto
Em entrevista coletiva convocada nesta segunda-feira (27), na sede do governo em Curitiba, para comentar o resultado da eleição presidencial, o governador Beto Richa (PSDB) disse que vai anunciar seu novo secretariado “de uma única vez no final de dezembro”.

De acordo com Richa, as mudanças serão pequenas. Como já havia declarado durante a campanha eleitoral, o governador admitiu que o número de secretarias pode diminuir. Órgãos com “atividades sobrepostas” deverão ser reunidos em uma única estrutura.

O governador disse não se sentir pressionado pelos partidos – 16 siglas, além do PSDB, fizeram parte da coligação tucana – a acomodar aliados no governo. “Sempre construí alianças programáticas, nunca loteamos o governo para obter apoio”, afirmou. De acordo com Richa, a qualificação técnica, a seriedade e o espírito de equipe irão pesar na escolha dos nomes. “Não tenho compromisso com os partidos que me elegeram de acomodá-los em cargos na administração”, garantiu.

Quanto à base aliada na Assembleia Legislativa (Alep), apesar de admitir que tem sido procurado por deputados interessados em assumir a presidência da Casa, o governador afirmou que não vai interferir no processo de escolha da Mesa Diretora. “Torço pela vitória de um aliado, mas não vou interferir”, garantiu.

Diálogo

Assim como fez Dilma Rousseff (PT) ao discursar em comemoração à reeleição para a Presidência no domingo à noite, Richa também afirmou que, com o fim das eleições, “todos devem descer do palanque”. O governador disse estar pronto para retomar o diálogo com a presidente reeleita. Durante todo o seu primeiro mandato, Richa acusou o governo federal de discriminar o Paraná. “Isso não sou eu que estou dizendo, foi a imprensa que divulgou. Não era um tratamento respeitoso, digno”, acusou.

O governador, porém, disse acreditar no discurso da presidente, que defendeu o diálogo entre vitoriosos e derrotados. “[Dilma] disse que quer unir o Brasil e isso é o que estamos buscando”, afirmou.

O governador disse que o PSDB sabia das dificuldades em enfrentar Dilma, por se tratar de candidata à reeleição, mas o candidato do partido, Aécio Neves, “entrou para vencer”. De acordo com Richa, “[Aécio sai da eleição] maior do que entrou. É a maior referência da oposição no Brasil”, afirmou. Convocando o aliado para liderar os opositores, Richa defendeu uma oposição “construtiva e em defesa do interesse de todos os brasileiros”.

Contenção de gastos
Sobre a resolução baixada na semana passada, obrigando a administração direta e indireta a reduzir em 30% os gastos com custeio – como combustível, telefone, energia elétrica e manutenção de veículos e equipamentos - até o fim de janeiro de 2015, Richa disse se tratar de uma prática comum de sua administração.

De acordo com o governador, em anos anteriores a ordem era economizar 15%. Mas, como os órgãos superaram a meta, desta vez a decisão foi pelos 30%.
O governador admitiu, porém, que o Paraná “não é uma ilha” e também sofre com “a recessão técnica, o desemprego e a desindustrialização [do país]”.

Fonte: AN Notícias com Gazeta do Povo

Galeria de Imagens