Carregando...

Alerta!

logo "Paguem as famílias" e homofobia: o Fla-Flu na arquibancada - Notícias - AN Notícias

Apucarana, 05 de Abril de 2020

SAIBA MAIS

Dia do Dactiloscopista - Dia de Santa Águeda - Dia do Saia do Armário - Dia do Ano-novo Budista e Dia de San Marino - Morte de George Jacques Danton - Dia de São Vicente Ferrer -
13/02/2020 11h28

"Paguem as famílias" e homofobia: o Fla-Flu na arquibancadaClássico desta quarta-feira, no Maracanã, vencido pelo Flamengo por 3 a 2, voltou a ser palco de cânticos com alusão ao incêndio no Ninho do Urubu, que vitimou dez crianças

Diminuir texto Diminuir texto Diminuir texto
O clássico entre Fluminense e Flamengo, realizado nesta quarta-feira, no Maracanã, voltou a ficar marcado por manifestações das torcidas a respeito da tragédia no Ninho do Urubu, que completou um ano no último sábado e levou dez jovens da base do clube da Gávea à morte. Pela semifinal da Taça Guanabara, a torcida do Flu iniciou com os gritos de "paguem as famílias", ainda no primeiro tempo.

Esta manifestação dos tricolores foi ouvida outras vezes ao longo da partida, vencida pelo Flamengo por 3 a 2, pela semifinal da Taça Guanabara. Aliás, os rubro-negros, quando o confronto se encaminhava para o apito final, entoaram cânticos homofóbicos como 'resposta': "Time de v...".

Em seguida, tricolores retrucaram com pedidos de "justiça". Com o encerramento (e vaga rubro-negra), ambas as torcidas optaram por enaltecer os seus respectivos times.

Cabe destacar que, no jogo pela fase de grupos, quando o Flamengo ainda era comandado por Maurício Souza e contava com garotos, os tricolores cantaram "time assassino". O fato gerou ampla repercussão, inclusive culminando com nota oficial do Flu, lamentando e se desculpando pelo ocorrido, e julgamento no Tribunal de Justiça Desportiva do Rio de Janeiro, que apenas advertiu o clube.

O clube foi denunciado pela Procuradoria, mesmo com o fato não sendo relatado na súmula pelo árbitro, sendo enquadrado no artigo 243-G do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD): "Praticar ato discriminatório, desdenhoso ou ultrajante, relacionado a preconceito em razão de origem étnica, raça, sexo, cor, idade, condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência".

 

Fonte: AN Notícias com Terra