Carregando...

Alerta!

logo Soldado que atirou em dois policiais foi investigado por uma das vítimas em Ivaiporã - Notícias - AN Notícias Soldado que atirou em dois policiais foi investigado por uma das vítimas em Ivaiporã - Notícias - AN Notícias

Apucarana, 16 de Novembro de 2018

SAIBA MAIS

Dia Internacional da Tolerância - Dia Contra o Tabaco - Dia de Santo Edmundo -
04/09/2018 04h51

Soldado que atirou em dois policiais foi investigado por uma das vítimas em IvaiporãSoldado Lucas Santos Araújo foi considerado culpado em um processo administrativo por transgressão disciplinar

Diminuir texto Diminuir texto Diminuir texto

O soldado Lucas Santos Araújo que atirou contra dois colegas da corporação em Ivaiporã, no norte do Paraná, foi considerado culpado em um processo administrativo investigado pelo subtenente Luiz Antônio Abba, um dos mortos.

Os dois policiais e mais o soldado Robson Alves Medina morreram na troca de tiro na 6ª Companhia Independente de Polícia Militar (PM), no domingo (2).

Um inquérito policial militar será aberto pela Corregedoria da PM para apurar quais as causas das mortes. A Polícia Civil também investiga o caso.

Segundo o comandante da 6ª Companhia Independente da Polícia Militar, Elio Boing, o subtenente Abba foi responsável pela conclusão do Formulário de Apuração de Transgressão Disciplinar (FATD) contra o soldado Santos Araújo.

O subtentente foi responsável apenas pela apuração e conclusão da falha administrativa. A punição ainda não tinha sido aplicada porque o processo administrativo estava em fase de recurso no Comando Regional da Polícia Militar.

"O processo foi concluído há mais de um mês. Foram investigadas irregularidades internas, como, por exemplo, não respeitar a bandeira nacional e não obedecer regulamentos internos. No entanto, é prematuro avaliar que esse teria sido a motivação para o comportamento do soldado Santos, pois a punição não foi aplicada, estava em fase de recurso", explicou o comandante.

Além disso, segundo a Polícia Militar (PM), ele também foi considerado culpado em um processo administrativo por falsa denúncia.

Nenhum dos processos internos culminaria na expulsão do soldado da corporação, apenas em penas disciplinares, ainda conforme a PM.

Fonte: AN Notícias com G1

Galeria de Imagens