Carregando...

Alerta!

logo Dinheiro desviado de esquema de pedágio pagou imóveis de luxo e iates - Notícias - AN Notícias Dinheiro desviado de esquema de pedágio pagou imóveis de luxo e iates - Notícias - AN Notícias

Apucarana, 15 de Dezembro de 2018

SAIBA MAIS

Dia do Esperanto - Dia de São Mesmim - Dia do Jardineiro - Dia do Amigo Secreto e Dia do Jornaleiro -
22/02/2018 05h59

Dinheiro desviado de esquema de pedágio pagou imóveis de luxo e iatesA Econorte é a concessionária responsável por trechos de cinco rodovias no Paraná

Diminuir texto Diminuir texto Diminuir texto

O diretor do Departamento de Estradas e Rodagem do Paraná (DER), Nelson Leal, que foi preso temporariamente na manhã desta quinta-feira (22), na 48ª fase da Operação Lava Jato, utilizou o dinheiro de propina para pagar imóveis de luxo e iates, de acordo com o Ministério Público Federal.

Segundo a estimativa do MPF, foram desviados pelo menos R$ 65 milhões no esquema que envolve a concessionária Econorte, responsável por trechos de cinco rodovias no Paraná. Dinheiro que teria sido pago em troca da autorização de reajustes abusivos na tarifa de pedágio.

“Havia uma rede de empresas de fachada que recebia de uma subsidiária da concessionária. Essa rede de empresas fantasma viabilizava saques em espécie e indicava gastos operacionais inexistentes. Além disso, algumas dessas empresas de fachada eram relacionadas a agentes públicos”, explicou o procurador-geral da República, Diogo Mattos.

Leal contrariava estudos do próprio departamento para liberar aumento da tarifa nas praças de pedágio. Em um dos casos, um estudo do DER sugeriu a redução tarifária no pedágio em 19% e, em contrapartida, firmou-se um aditivo em que a tarifa subiu 24%, segundo os procuradores. Em alguns itens, o superfaturamento da concessionária chegou a 89%.

“Ele retificava atos, lavrava aditivos com essa empresa, aumentando a tarifa de forma totalmente desproporcional, contrariando estudos encomendados pelo próprio DER. Paralelamente a essa rede de pagamentos a empresas de fachada, fazia gastos em espécie com imóveis de luxo e iates, totalmente incompatível com a renda declarada à Receita Federal”, afirmou.

Em algumas das ocasiões, os aluguéis iates eram pagos por empresários que tinham contratos com o DER. Entre os imóveis de luxo investigados está um apartamento no Condomínio Don Alfonso, em Balneário Camboriú, litoral de Santa Catarina, adquirido por Nelson Leal e Georgia Junqueira Leal. O imóvel foi comprado por R$ 2.580.000,00 e não foi declarado no Imposto de Renda do investigado.
 

Outras concessionárias também são investigadas, mas as provas não são suficientes para denúncia.

Econorte

A Econorte é a concessionária responsável por trechos de cinco rodovias no Paraná. As BRs 369 e 153 e as PRs 323, 445 e 090. “Houve um superfaturamento de itens de planilha que legitimou um aumento desproporcional de tarifa. Isso prejudicou a população que ficou sem as melhorias, quase todas as rodovias não são duplicadas”, disse o procurador. O presidente da Econorte foi preso preventivamente nesta fase da operação.

A empresa tem três praças de pedágio no estado. As tarifas custam entre R$ 18 e R$ 22 para carros.

O Paraná Portal entrou em contato com a Econorte, que até o momento da publicação desta reportagem não se posicionou sobre o assunto.

Governo

De acordo com o Ministério Público Federal, as investigações ainda não chegaram a agentes políticos, mesmo com mandado de busca e apreensão cumprido no Palácio Iguaçu, no local de trabalho de Carlos Nasser, que ocupa um cargo comissionado na Casa Civil.

“O governador  Beto Rciha participa dos aditivos, mas inicialmente não existe nenhum indicativo que ele tenha participado efetivamente dessas negociações. No primeiro momento, é um diretor que participou”, disse Mattos. Segundo o processo, o ex-assessor da Casa Civil abriu uma empresa de fachada, que recebeu cerca de R$ 3 milhões, o destino do dinheiro é investigado pela operação.

“Os procedimentos realizados na Casa Civil do governo do estado se limitou ao espaço de trabalho do investigado, não houve nada além disso”, afirmou o delegado da PF, Igor Romário de Paula.

Por meio de nota, o governo do Paraná afirmou que determino a instauração de um processo para investigar o caso. Veja na íntegra:

O governador Beto Richa determinou hoje a pronta instauração de processo de investigação para o esclarecimento de eventuais irregularidades apontadas pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal, na chamada “Operação Integração”, que envolve a concessão de rodovias federais no Paraná. A investigação será conduzida pela Controladoria Geral do Estado.

Tanto os contratos quanto os aditivos relacionados ao chamado Anel de Integração foram conduzidos pelo Departamento Estadual de Estradas de Rodagem (DER), que é o poder concedente. E todos terminaram submetidos ao crivo da Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Infraestrutura do Paraná – Agepar, que homologou seus termos. Os contratos originais do Anel de Integração foram assinados em 1997.

Quanto aos fatos que envolvem o sr. Carlos Nasser, esclarece que ele exercia a função de assessor político junto à Casa Civil, cargo de terceiro escalão, sem qualquer vínculo com o Gabinete do Governador.

Em razão disso, o governador determinou o seu imediato afastamento do cargo, até a apuração completa dos fatos.


 

Fonte: AN Notícias com PR UOL

Galeria de Imagens