Carregando...

Alerta!

logo Ex-gerente da Petrobras e réu da Lava Jato é solto pela Justiça do Paraná - Notícias - AN Notícias Ex-gerente da Petrobras e réu da Lava Jato é solto pela Justiça do Paraná - Notícias - AN Notícias

Apucarana, 11 de Dezembro de 2019

SAIBA MAIS

Dia de Santa Dionísia - Aniversário de Belo Horizonte - Dia da Bíblia - Dia de Nossa Senhora de Guadalupe -
14/11/2019 12h17

Ex-gerente da Petrobras e réu da Lava Jato é solto pela Justiça do ParanáO ex-gerente da Petrobras, Roberto Gonçalves, deixou o Complexo Médico Penal, em Pinhais, na Grande Curitiba

Diminuir texto Diminuir texto Diminuir texto

O ex-gerente da Petrobras, Roberto Gonçalves, deixou o Complexo Médico Penal, em Pinhais, na Grande Curitiba, na tarde desta quarta-feira (13). O ex-executivo foi preso preventivamente em março de 2017, durante a 39ª fase da Operação Lava Jato.

A decisão é da juíza Ana Carolina Ramos, da 1ª Vara de Execuções Penais de Curitiba, que determinou a liberdade com base no novo entendimento do STF (Supremo Tribunal Federal) sobre a prisão em segunda instância. O ex-gerente da estatal permanece em Curitiba até esta quinta-feira (14), quando então irá retornar ao Rio de Janeiro, local de sua residência.

MBL pede prisão preventiva de Lula e Dirceu ao MPF

Gonçalves foi condenado pela Lava Jato a 15 anos e dois meses de prisão pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa. No entanto, a sentença foi modificada pelo TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) e a pena foi aumentada para 17 anos, nove meses e 23 dias.

No pedido de liberdade, a defesa do ex-executivo afirmou que ficou comprovado que o réu estava preso “exclusivamente em razão da execução condenatória em segunda instância”. Diante disso, os advogados de Gonçalves pediram sua imediata soltura e a dispensa do exame de corpo de delito.

Segundo as investigações,  Gonçalves, recebeu pelo menos US$ 5 milhões em propinas de empreiteiras como a Odebrecht e a UTC Engenharia. Em contrapartida, as empresas foram beneficiadas em contratos com a estatal para obras no Comperj (Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro).

Gonçalves foi o gerente da área de Engenharia e Serviços da Petrobras entre março de 2011 e maio de 2012. Ele sucedeu Pedro Barusco na função e na “responsabilidade” de conduzir o esquema de pagamentos de propinas.

O ex-gerente usou pelo menos cinco contas no exterior, em nome de off-shores, para receber vantagens indevidas.

Ainda permanecem detidos no Complexo Médico Penal: o lobista João Augusto Resende Henriques; o ex-gerente da Transpetro José Antonio de Jesus; o empresário Enivaldo Quadrado; o publicitário Ricardo Hoffmann; o ex-diretor da Petroquisa Djalma Rodrigues de Souza; o ex-diretor da Dersa Paulo Vieira de Souza e o empresário do Grupo Petrópolis Walter Faria.

Fonte: AN Notícias com PR UOL

Galeria de Imagens