Carregando...

Alerta!

logo Fachin manda investigar 8 ministros de Temer, 24 senadores e 39 deputados - Notícias - AN Notícias Fachin manda investigar 8 ministros de Temer, 24 senadores e 39 deputados - Notícias - AN Notícias

Apucarana, 22 de Agosto de 2017

SAIBA MAIS

Dia Mundial do Folclore - Dia das Vocações Leigas - Dia do Religioso - Dia do Excepcional e Dia de São Felipe -
11/04/2017 10h13

Fachin manda investigar 8 ministros de Temer, 24 senadores e 39 deputadosDois paranaenses são citados na lista de Fachin

Diminuir texto Diminuir texto Diminuir texto

O ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), determinou a abertura de inquérito contra oito ministros do governo Temer, 24 senadores e 39 deputados federais, entre eles os presidentes das duas Casas, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Eunício Oliveira (PMDB-CE). Ao todo, serão investigadas 98 pessoas. A informação é do blog do jornalista Fausto Macedo, do jornal O Estadão de S. Paulo, que teve acesso com exclusividade às 83 decisões do magistrado do STF. Com o aval de Fachin, a Procuradoria-Geral da República (PGR) está autorizada a investigar a participação dos citados no esquema de corrupção desvendado pela força-tarefa da Lava Jato.

INFOGRÁFICO: Conheça os políticos que serão investigados

O grupo faz parte dos 83 pedidos de inquéritos encaminhados pela PGR ao STF com base nas delações dos 78 executivos e ex-executivos do Grupo Odebrecht, todos com foro privilegiado no Supremo. Os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, não aparecem nesse conjunto porque não possuem mais foro especial.

Ainda de acordo com a reportagem, um ministro do Tribunal de Contas da União e três governadores também serão investigados no Supremo, além de outros 24 políticos e autoridades que estão relacionadas às denúncias, mas não possuem foro privilegiado.

Dois paranaenses são citados na lista de Fachin: o ex-ministro do Planejamento e das Comunicações, Paulo Bernardo, marido da senadora Gleisi Hoffmann (PT), e o deputado federal Zeca Dirceu (PT), filho do ex-chefe da Casa Civil José Dirceu, que está preso no Complexo Médico de Pinhais por envolvimento no desvio de recursos da Petrobras.

Apesar de citado pela reportagem como um dos ministros investigados, o titular da Cultura, Roberto Freire, não teve o pedido de abertura de inquérito deferido por Fachin. O caso dele foi remetido de volta à PGR para reavaliação. os outros oito ministros serão investigados.

Acusados se defendem Renan Calheiros, senador do PMDB-AL

“A abertura dos inquéritos permitirá que eu conheça o teor das supostas acusações para, enfim, exercer meu direito de defesa sem que seja apenas baseado em vazamentos seletivos de delações. Um homem público sabe que pode ser investigado. Mas isso não pode significar uma condenação prévia ou um atestado de que alguma irregularidade foi cometida. Acredito que esses inquéritos serão arquivados por falta de provas, como aconteceu com o primeiro deles.”

Aécio Neves, senador do PSDB-MG

“O presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves, considera importante o fim do sigilo sobre o conteúdo das delações, iniciativa solicitada por ele ao ministro Edson Fachin na semana passada, e considera que assim será possível desmascarar as mentiras e demonstrar a absoluta correção de sua conduta.”

Romero Jucá, senador do PMDB-RR

“Sempre estive e sempre estarei à disposição da Justiça para prestar qualquer informação. Nas minhas campanhas eleitorais sempre atuei dentro da legislação e tive todas as minhas contas aprovadas”.

José Serra, senador do PSDB-SP

O senador reitera que não cometeu nenhuma irregularidade e que suas campanhas foram conduzidas pelo partido, na forma da lei. Diz que a abertura do inquérito pelo Supremo Tribunal Federal servirá como oportunidade de demonstrar essas afirmações e a lisura de sua conduta.

Rodrigo Maia, presidente da Câmara e deputado do DEM-RJ

“O processo vai comprovar que são falsas as citações dos delatores, e os inquéritos serão arquivados. Eu confio na justiça e vou continuar confiando sempre. O Ministério Público e a Justiça vão fazer o seu trabalho de forma competente, cabe ao Congresso cumprir seu papel institucional de legislar. Há separação dos poderes.”

Blairo Maggi, ministro da Agricultura

Disse lamentar que seu nome tenha sido incluído na lista de pessoas citadas sem que tivesse qualquer possibilidade de acesso ao conteúdo para me defender. Ele afirmou que não recebeu doações da Odebrecht para suas campanhas eleitorais e não tem qualquer relação com a empresa ou os seus dirigentes. “Tenho minha consciência tranquila de que nada fiz de errado”.

Eunício Oliveira, presidente do Senado e senador do PMDB-CE

“A Justiça brasileira tem maturidade e firmeza para apurar e distinguir mentiras e versões alternativas da verdade”.

Kátia Abreu, senadora do PMDB-TO

“Afirmo categoricamente que, em toda a minha vida pública, nunca participei de corrupção e nunca aceitei participar de qualquer movimento de grupos fora da lei. Estarei à disposição para prestar todos os esclarecimentos necessários de maneira a eliminar qualquer dúvida sobre a nossa conduta.”

Dalirio Beber, senador do PSDB-SC

“Rechaço com veemência toda e qualquer denúncia de prática de ilícitos. Estou indignado, mas absolutamente tranquilo, pois minha consciência em nada me acusa.”

Fernando Bezerra Coelho, senador do PSB-PE

“A defesa do senador Fernando Bezerra Coelho, representada pelo advogado André Luís Callegari, afirma que não foi oficialmente comunicada, tampouco teve acesso à referida investigação. Fernando Bezerra mantém-se, como sempre esteve, à disposição das autoridades a fim de prestar quaisquer esclarecimentos que elas possam necessitar. A defesa do senador observa que nestes 35 anos de vida pública de Fernando Bezerra Coelho não há qualquer condenação em desfavor do parlamentar.”

Marta Suplicy, senadora do PMDB-SP

A senadora diz que o ministro Edson Fachin não determinou a abertura de investigação contra a senadora Marta Suplicy, mas, sim, retornou a denúncia para o Procurador-Geral Rodrigo Janot para avaliar a extinção de punibilidade. Segundo ela, os fatos mencionados na delação são inteiramente falsos. “Minha conduta sempre foi baseada nos princípios éticos que marcam toda sua vida pública.”

Gilberto Kassab, ministro das Comunicações

O ministro confia na Justiça, ressalta que não teve acesso oficialmente às informações e que é necessário ter cautela com depoimentos de colaboradores, que não são provas. Reafirma que os atos praticados em suas campanhas foram realizados conforme a legislação.

Lidice da Mata, senadora do PSB-BA

“Tenho a consciência tranquila e a confiança de que tudo será esclarecido. A seriedade da minha vida pública fala por mim. Quem não deve não teme. Espero que as investigações avancem, com transparência e agilidade. Que as responsabilidades sejam devidamente apuradas, para que separemos o joio do trigo”.

José Agripino Maia, senador do DEM

“Mesmo não tendo sido candidato em 2014 e desconhecendo o teor das menções a mim atribuídas, coloco-me à disposição da justiça para colaborar com as investigações que se venham a requerer.

Betinho Gomes, deputado federal do PSDB-PE

Em nota, o deputado diz que “teve todas as contas de campanha contabilizadas e aprovadas pela Justiça Eleitoral, que jamais defendeu interesses privados em detrimento do interesse público; nunca teve encontros com os referidos delatores mencionados pela imprensa; e tem total interesse que o caso seja o mais rapidamente esclarecido.”

Omar Aziz, senador do PSD-AM “Ninguém tem mais interesse do que eu na conclusão deste inquérito. Não tenho e nunca tive nenhum tipo de relação com a Odebrecht. Essa empresa não teve sequer contratos ou pagamentos recebidos no meu governo. Também não recebi nenhum centavo deles em campanha eleitoral.””
Fonte: AN Notícias com Gazeta do Povo

Galeria de Imagens