Carregando...

Alerta!

logo Nome de Beto Richa aparece várias vezes em agenda de empresário investigado - Notícias - AN Notícias Nome de Beto Richa aparece várias vezes em agenda de empresário investigado - Notícias - AN Notícias

Apucarana, 21 de Outubro de 2018

SAIBA MAIS

Dia do Contato Publicitário - Dia de Santa Úrsula - Dia Nacional da Somália -
02/10/2018 11h38

Nome de Beto Richa aparece várias vezes em agenda de empresário investigadoNome de ex-chefe de gabinete e a anotação 'falar com o Pepe', que remete ao irmão de Richa

Diminuir texto Diminuir texto Diminuir texto

O nome do ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB) aparece várias vezes em uma agenda apreendida pelos investigadores da Operação Rádio Patrulha, deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), segundo o Ministério Público estadual (MP-PR).

O nome do então chefe de gabinete dele, Deonilson Roldo, e a anotação "falar com o Pepe", que remete ao irmão de Beto, também consta na agenda, de acordo com o MP-PR.

A agenda pertence ao empresário Celso Frare que, além dos citados acima, também é investigado na operação. As informações do conteúdo da agenda foram obtidas em exclusividade pela RPC.

Operação Rádio Patrulha

A investigação do Gaeco é sobre o programa do governo estadual Patrulha do Campo, que faz a manutenção das estradas rurais. De acordo com o Ministério Público do Paraná (MP-PR), apura-se o pagamento de propina a agentes públicos, direcionamento de licitações de empresas, lavagem de dinheiro e obstrução da Justiça.

Na denúncia, os promotores afirmam que Beto Richa, quando era governador, era o principal destinatário das vantagens indevidas prometidas pelos empresários.

Beto e outros investigados foram presos pelo Gaeco, no início de setembro. Eles foram soltos após uma decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes, na noite do dia 14.

Ainda conforme o MP, a propina foi paga em contrapartida por empresários, entre eles Celso Frare, ligados a locação de veículos para o estado. Eles teriam fraudado a licitação para fazer a manutenção de estradas rurais do Programa Patrulha do Campo.
 

Conteúdo da agenda

Na agenda apreendida, de acordo com o Ministério Público, há várias anotações feitas em 2013. Uma delas é uma espécie de pauta de reunião e cópias do contrato firmado pela Cotrans, do empresário Osni Pacheco.

Também foram encontradas anotações com valores percentuais debaixo dos nomes de Celso e Beto.

De acordo com os promotores, são valores próximos dos pagamentos efetuados pelo Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER) nos meses de outubro, novembro e dezembro, destacando-se o percentual de 4%.

Os promotores afirmam que outros 4% eram pagos na renovação do contrato. Ainda conforme o MP-PR, o total de vantagens indevidas foi de R$ 8,15 milhões de reais, o que corresponde a 8% dos R$ 102 milhões que o Governo do Paraná pagou às empresas vencedoras da licitação.
 

Pagamentos ilícitos

Na denúncia, o Ministério Público afirma que Beto e Pepe Richa, além dos ex-secretários de estado Deonilson Roldo e Ezequias Moreira, do ex-servidor do DER, Aldair Petry e o primo de Beto Richa, Luis Abi Antoun, aceitaram a promessa de vantagem indevida entre maio de 2013 e julho de 2017, e receberam pelo menos 36 pagamentos ilícitos mensais, direta e indiretamente.

Eles foram denunciados por corrupção e fraude a licitação. Contando com o material já apreendido e com novas provas e depoimentos, os promotores afirmam que estão investigando outros crimes, como obstrução de justiça e lavagem de dinheiro.
 

Outro lado

A defesa de Beto e Pepe Richa afirmou que as acusações não passam de ilações feitas por delatores interessados em obter benefícios judiciais e que vai prestar os esclarecimentos à Justiça.

O advogado de Luis Abi Antoun disse que as acusações são totalmente inverídicas.

A defesa de Celso Frare informa que seu cliente está contribuindo com as autoridades e se pronunciará nos autos do processo.

A defesa de Aldair Petri afirmou que não há nenhuma prova contra ele, que nunca participou de nada ilícito, mas que prestou depoimento e que Celso Frare já informou para quem teria repassado dinheiro.

A Ouro Verde Locação e Serviço afirma que todos os serviços de locação de máquinas e equipamentos pesados ao Estado do Paraná, durante o período de abril de 2013 a julho de 2015, foram devidamente realizados e comprovados. A empresa esclarece ainda que o processo de concorrência pública foi vencido pelo melhor preço de mercado, tendo cumprido absolutamente todas as obrigações previstas na licitação.

Até a última atualização desta reportagem, o G1 tenta contato com os outros citados na reportagem.

 

 

 

Fonte: AN Notícias com G1

Galeria de Imagens