Carregando...

Alerta!

logo MP quer devolução de salário por acúmulo de cargos em Londrina - Notícias - AN Notícias MP quer devolução de salário por acúmulo de cargos em Londrina - Notícias - AN Notícias

Apucarana, 19 de Abril de 2021

SAIBA MAIS

Dia Nacional do Índio - Aniver. da Organização Internacional do Trabalho e Dia do Exército -
03/06/2014 12h52

MP quer devolução de salário por acúmulo de cargos em LondrinaSegundo promotor, conduta é passível de configurar improbidade administrativa

Diminuir texto Diminuir texto Diminuir texto
A Promotoria de Defesa do Patrimônio Público deve encaminhar hoje recomendação administrativa para que quatro membros do governo do prefeito de Londrina, Alexandre Kireeff (PSD), devolvam salário recebido indevidamente em razão do acúmulo de cargos públicos.

O vice-prefeito Guto Bellusci (PSD), o assessor executivo José Carlos Bruno de Oliveira, o secretário de Governo, Paulo Arcoverde, e o ex-assessor Gustavo Lessa mantinham funções remuneradas nos conselhos da Sercomtel. Os dois primeiros eram conselheiros de administração e ganhavam quase R$ 3 mil por uma reunião mensal; Lessa e Arcoverde eram do Conselho Fiscal e recebiam cerca de R$ 2 mil por uma reunião a cada três meses.

Os quatro deixaram os cargos nos conselhos há quase um mês, após recomendação do Ministério Público (MP) e orientação da Procuradoria-Geral do Município (PGM), que consideram ilegal o acúmulo de cargos públicos. O entendimento inicial da administração era pela legalidade do acúmulo, mas, no começo de maio, o Tribunal de Justiça (TJ), ao julgar ação relativa ao governo do ex-prefeito Barbosa Neto (PDT), considerou ilegal a situação da servidora Cristiane Hasegawa, que mantinha função comissionada e recebia também por ser presidente do Conselho de Administração da Sercomtel.

O promotor Renato de Lima Castro disse que o fundamento da recomendação é o dano ao erário. "O acúmulo de cargos gera dano aos cofres da Sercomtel e é conduta passível de configurar improbidade administrativa", afirmou, acrescentando que espera receber ainda hoje informações da Sercomtel sobre os salários que eram pagos aos conselheiros.

Bruno Oliveira disse que "o que tiver de acontecer, vai acontecer", admitindo a possibilidade de devolver o valor recebido. "Vamos analisar os termos da recomendação e se tiver que devolver..." Porém, ressaltou que "não considero ter feito nada errado". "Se eu tivesse qualquer dúvida de que não era legal (ocupar os dois cargos ao mesmo tempo) não teria feito."

Lessa, que recentemente também deixou o cargo de assessor executivo, e Guto não foram localizados pelos telefones celulares. Em entrevista anterior, o vice-prefeito disse que somente devolveria o valor com determinação judicial. Para Arcoverde a reportagem deixou recado em seu gabinete, mas ele não deu retorno à solicitação de entrevista.
Fonte: AN Notícias com Folha de Londrina

Galeria de Imagens