Carregando...

Alerta!

logo Viapar retoma obras na Terra Roxa na segunda-feira (17) em Mandaguari - Notícias - AN Notícias Viapar retoma obras na Terra Roxa na segunda-feira (17) em Mandaguari - Notícias - AN Notícias

Apucarana, 24 de Junho de 2018

SAIBA MAIS

Dia Internacional da Ufologia -Dia das Empresas Gráficas - Dia do Caboclo - Dia do Disco Voador - Dia de São João -
15/07/2017 12h20

Viapar retoma obras na Terra Roxa na segunda-feira (17) em MandaguariMunicípios de Mandaguari e Marialva entram em entendimento e cancela deve ser liberada no dia 25

Diminuir texto Diminuir texto Diminuir texto

Uma semana após o início da parceria entre Mandaguari e Viapar, que permite que veículos locais tenham 80% de desconto nas tarifas do pedágio, um ofício da Prefeitura de Marialva quase desencadeou um novo conflito entre as partes. Assinado pelo prefeito Victor Martini (PP), o documento informava que a cidade vizinha não aceitaria que apenas veículos de Mandaguari transitassem pela Estrada Terra Roxa.

Equipes ligadas à Viapar, que trabalhavam no local para a instalação de cancelas, que têm como objetivo limitar o trânsito apenas a veículos locais, foram imediatamente retiradas da região, que está fechada desde a sexta-feira (7), com promessa de reabertura com o fim dos trabalhos.

Pessoas ligadas ao Movimento Tarifa Zero ameaçaram, então, reabrir a estrada rural para o público externo na segunda-feira (17). Para isso, até um ofício foi protocolado na Prefeitura de Mandaguari solicitando respaldo para que isso acontecesse. “Nós vamos reabrir a Terra Roxa de qualquer maneira”, postou Alexandre Stroher em rede social.

Por seu lado, a Viapar comunicou ao prefeito Romualdo Batista (PDT) que espera que haja um entendimento entre as prefeituras dos dois municípios para que possa retomar os trabalhos na região.

A empresa chegou a pontuar ao chefe do Executivo que, caso pessoas ligadas ao Tarifa Zero reabrissem a Terra Roxa, o acordo seria sumariamente suspenso, e os veículos locais perderiam os descontos concedidos tanto via tag quanto por cupons.

Diretor de Operações e número 2 da concessionária, Jackson Seleme conversou com a reportagem na sexta-feira (14) e confirmou a informação. “Eu sou funcionário da empresa e cumpro ordens do conselho. Se esses ‘rapazes’ não respeitarem o acordo, não teremos alternativa que não suspender a parceria.”

 

Pacificação

A favor do entendimento e contrário a um novo “conflito” com a Viapar, o prefeito Batistão disse em entrevista à Agora FM (91,3) que não permitirá que haja retrocesso nos ganhos que a cidade obteve. “Não é justo prejudicar milhares de motoristas e usuários neste momento.”

No fim da tarde de sexta-feira (14), o prefeito reuniu-se com representantes da Viapar e da Prefeitura de Marialva para tentar chegar a um acordo, já que a estrada fica em uma área na divisa entre os dois municípios, considerada de litígio. Ficou definido que já nesta segunda-feira serão retomados os trabalhos na Terra Roxa e que em oito dias as cancelas, instaladas no meio do trajeto, passarão a funcionar. Veículos emplacados em Mandaguari poderão trafegar, sem custo algum, pela via alternativa ao pedágio, sem necessidade de fazer cadastramento. Por meio de uma câmera, funcionários da Viapar vão realizar a checagem das placas e liberar a passagem.

O tema não é tratado abertamente, mas há um claro distanciamento entre o prefeito e pessoas ligadas ao MTZ e favoráveis a um novo conflito com a Viapar. “Interesses pessoais e políticos não podem prevalecer neste caso”, afirmou Romualdo.

Membro do Tarifa Zero, mas contrário a um novo embate, o vereador Jorge do Alambique (PDT) disse que vai trabalhar para que as coisas se resolvam da melhor forma e sem maiores traumas. “Todos precisam se entender. Não tem cabimento, depois de tanta luta perdermos essas conquistas por pura vaidade de alguns.”

Se o entendimento com a Viapar foi difícil, mais complicada está a pacificação local, com muitos já enxergando as eleições de 2020 no horizonte. Há a divisão entre grupos políticos, e o próprio racha na base de Batistão, com o “fogo amigo” estimulando algumas atitudes. Não bastassem todos esses ingredientes, o Movimento Tarifa Zero também se dividiu entre os que guardaram suas armas e aqueles que continuam nas trincheiras.

Fonte: AN Notícias com Agora

Galeria de Imagens