Carregando...

Alerta!

logo Dilma anuncia novos cursos de Medicina em cinco cidades do Paraná - Notícias - AN Notícias Dilma anuncia novos cursos de Medicina em cinco cidades do Paraná - Notícias - AN Notícias

Apucarana, 29 de Novembro de 2020

SAIBA MAIS

Dia do Café - Dia da Solidariedade dos Povos Palestinos - Dia Nacional da Albânia -
09/07/2013 03h33

Dilma anuncia novos cursos de Medicina em cinco cidades do ParanáDilma Rousseff anunciou a criação do novos cursos de Medicina no Paraná

Diminuir texto Diminuir texto Diminuir texto

A presidente Dilma Rousseff anunciou, nesta segunda-feira (8), a criação do novos cursos de Medicina em Foz do Iguaçu, Pato Branco, Guarapuava, Curitiba e Umuarama, no Paraná. A autorização foi feita durante a assinatura provisória que institui o Programa Mais Médicos para o Brasil.

Em Foz do Iguaçu, o curso de Medicina será na Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila), e vai ofertar 60 vagas até 2016. Nas outras cidades, ainda não detalhes e nem prazo para implantação.

Até 2017, a oferta de vagas nos cursos de Medicina terá um aumento superior a 10%. Com o programa Mais Médicos, serão abertas 3.615 vagas nas universidades públicas e, entre as particulares, devem ser criadas 7.832 novas matrículas.


O aumento deve ser sentido este ano, quando abertas 1.452 vagas. Em 2014, serão 5.435, anuciou o ministro da Educação Aloísio Mercadante. De acordo com o ministro, haverá uma descentralização dos cursos que serão instalados em mais municípios. A residência médica terá de acompanhar o ritmo de vagas abertas na graduação.
"Não basta abrir curso de medicina para fixar um médico em uma região que temos interesse para ter. É preciso residência médica, que é um fator decisivo para a fixação, além de políticas na área de saúde. Estados que têm oferta de residência médica, tem uma concentração grande de médicos, como Rio de Janeiro e São Paulo", disse o ministro.


Segundo ele, haverá uma melhor distribuição dos cursos pelo país. Atualmente, 57 municípios oferecem cursos de medicina. Com o novo programa, mais 60 passarão a ofertar, totalizando 117 municípios no país. Isso acarretará, para as federais, a contratação de 3.154 professores e 1.882 técnicos-administrativos.
Nas particulares, segundo Mercadante, não haverá mais a "política de balcão", onde os institutos apresentam as propostas para a abertura de cursos. Agora, a oferta de cursos de medicina será definida por meio de editais públicos, de acordo com a necessidade do país. "Vamos verificar as áreas que têm condições e necessidade de ofertar vaga e lá ofertaremos".

Conforme o discurso da presidente, no Brasil, o Programa Mais Médicos para o Brasil prevê a criação de 11,4 mil vagas até 2017. Destes, 3,7 mil serão destinadas para cursos já existentes e o restante para novos cursos, criados em 60 cidades brasileiras.“Vamos criar novos cursos de medicina, ampliar o número de vagas, mas todos sabemos que um médico leva de seis a dez anos para concluir a sua formação. E até que essa nova geração que hoje nós criamos as condições para ampliar, através de mais vagas, até que essa nova geração, tanto no que se refere à graduação quanto no que se refere à residência, cheguem ao mercado de trabalho, as pessoas vão continuar adoecendo e vão continuar precisando de médicos, melhores hospitais, melhor esforço de saúde, mais vagas em cursos de medicina e em residência médica, tudo isso, não há discussão, é imprescindível no processo de transformação da saúde pública no nosso país”, disse durante o pronunciamento.

Dilma Rousseff também divulgou que o pacote prevê a ampliação de vagas de residência e a contratação de milhares de médicos do Brasil e do exterior. “As vagas disponíveis nós vamos oferecer, e hoje nós iniciamos esse processo, primeiro a médicos brasileiros, com uma remuneração de R$ 10 mil, que será paga integralmente pelo governo federal e, portanto, não irá onerar, em termos de custeio, os municípios brasileiros. Os médicos que forem trabalhar nas áreas mais distantes, com mais dificuldades, áreas mais precárias, receberão uma ajuda de custo complementar”, afirmou.A presidente assegurou que o objetivo do programa é melhorar o atendimento do Sistema Único de Saúde (SUS) e a formação dos médicos brasileiros. “O meu dever, como presidenta, é governar para todos. E é para todos que nós firmamos o Pacto Nacional pela Saúde. E é para atender a todos que nós vamos ampliá-lo cada vez mais, sem medir esforços, sem temer desafios, sem ter medo de lutar pelo que for preciso e com a energia de fazer tudo o que for necessário. É esse o nosso compromisso, é essa a nossa determinação. Repito: olhando sempre, mas sempre mesmo, para aqueles que mais precisam”, finalizou.

Fonte: Agência Brasil