Carregando...

Alerta!

logo Demissão de Deonilson faz aliados de Beto lembrarem escândalo de Ricardo Barros - Notícias - AN Notícias Demissão de Deonilson faz aliados de Beto lembrarem escândalo de Ricardo Barros - Notícias - AN Notícias

Apucarana, 27 de Novembro de 2020

SAIBA MAIS

Dia Nacional do Combate ao Câncer - Dia da Infância - Dia de São Máximo e Dia do Técnico de Segurança no Trabalho -
18/05/2018 03h03

Demissão de Deonilson faz aliados de Beto lembrarem escândalo de Ricardo BarrosEm 2012, no segundo ano do governo de Beto, estourou um escândalo contra Ricardo Barros

Diminuir texto Diminuir texto Diminuir texto

Aliados de Beto Richa insatisfeitos com a demissão sumária de Deonilson Roldo, pivô do escândalo da PR-323, dizem que Cida Borghetti poderia ter se lembrado da gentileza que Beto Richa fez a seu marido em um caso semelhante.

Em 2012, no segundo ano do governo de Beto, estourou um escândalo contra Ricardo Barros, que na época ocupava a Secretaria de Indústria, Comércio e Assuntos do Mercosul. Ao invés de demiti-lo, porém, Beto deixou que ele tirasse 90 dias de licença durante a investigação.

Como era época de eleição municipal, Barros ainda pôde dizer que se afastava para tratar de assuntos eleitorais (foi a única gentileza que Richa não fez, dando a entender que o afastamento não era voluntário).

Semelhanças

O caso de Ricardo Barros tem semelhanças com o de Deonilson, embora os valores sejam bem mais baixos. Envolve uma licitação e uma gravação mostrando suposto direcionamento. Barros pedia que se desse um jeito de duas agências de publicidade ficarem com uma conta da prefeitura de Maringá.

Leia mais: Beto intima Requião para debate; peemedebista diz que conversa de adversário “é com Sergio Moro”

Na época, o prefeito de Maringá era Silvio Barros, irmão de Ricardo, cunhado de Cida e atual secretário de Estado de Planejamento. Todos, claro, negaram as irregularidades.

Em público, Richa não admite que ficou chateado com a demissão de seu braço direito. Deoniulson, que na era Beto foi chefe de Gabinete e secretário de Comunicação, estava na Copel e em mais cinco conselhos.

“Ele só reclamou que não teve tempo de se explicar. Queria uma licença sem remuneração para se defender”, disse Richa quarta-feira.

Nos bastidores, porém, a demissão de Deonilson pegou mal para a aliança entre os dois grupos.

Fonte: AN Notícias com Gazeta do Povo

Galeria de Imagens