Carregando...

Alerta!

logo Casa do pai de Eduarda Shigematsu é alvo de assaltos - Notícias - AN Notícias Casa do pai de Eduarda Shigematsu é alvo de assaltos - Notícias - AN Notícias

Apucarana, 15 de Setembro de 2019

SAIBA MAIS

Dia do Cliente - Dia da Independência da América Central - Dia do Musicoterapeuta - Dia de Nossa Senhora das Dores -
17/05/2019 06h45

Casa do pai de Eduarda Shigematsu é alvo de assaltosA casa do pai de Eduarda Shigematsu, que confessou ter ocultado o cadáver da filha, em Rolândia, se tornou alvo de assaltos

Diminuir texto Diminuir texto Diminuir texto
A casa do pai de Eduarda Shigematsu, que confessou ter ocultado o cadáver da filha, em Rolândia, se tornou alvo de assaltos na cidade. De acordo com o delegado Bruno Silva Rocha, ladrões entraram na residência na última segunda-feira (13) e na tarde desta quinta-feira (16). Ricardo Seidi está preso desde o último dia 29. A avó paterna de Eduarda, Terezinha de Jesus Guinaia, também está presa desde o último dia 30.

Conforme a Polícia Civil, na segunda-feira (13), a casa foi invadida e dois botijões de gás foram furtados. E nesta quinta-feira (16), foram furtadas coisas pequenas, segundo Rocha. "Uma mochila, tapetes de carro, serrinha, entre outros objetos menores", relatou à reportagem. Ainda conforme o delegado, dois foram presos em flagrante na segunda-feira, sendo um pelo furto e outro por receptação, e outro foi preso na tarde desta quinta.  

O crime

Eduarda Shigematsu, de 11 anos, foi encontrada morta nos fundos de uma casa no centro de Rolândia no último dia 28. O pai da menina, Ricardo Seidi, confessou ter ocultado o corpo da filha, mas negou o homicídio. A avó paterna da garota procurou a delegacia em 25 de abril para relatar um desaparecimento. Ela registrou um boletim de ocorrência um dia após dela, eventualmente, ter saído de casa.

Após a defesa da avó de Eduarda pedir revogação da prisão temporária de sua cliente, o juiz da Vara Criminal de Rolândia, Alberto José Ludovico, negou no início da tarde de quarta-feira (14) o pedido. Segundo o magistrado, "a solicitação de soltura revela-se prematuro, pois, conforme observado pelo Ministério Público, há ainda diligências em curso da Polícia Civil, dentre elas as mensagens dos diálogos em aplicativos de celulares".
Fonte: AN Notícias com Folha de Londrina

Galeria de Imagens