Carregando...

Alerta!

logo Rolândia faz caminhada em homenagem à menina Eduarda - Notícias - AN Notícias Rolândia faz caminhada em homenagem à menina Eduarda - Notícias - AN Notícias

Apucarana, 20 de Maio de 2019

SAIBA MAIS

Dia do Comissário de Menores - Aniversário de Palmas e Dia do Otimismo -
04/05/2019 11h03

Rolândia faz caminhada em homenagem à menina EduardaManifestantes vestidos de branco se reuniram na Matriz de São José, onde rezaram e soltaram balões

Diminuir texto Diminuir texto Diminuir texto
Vestidos de roupas brancas, moradores de Rolândia participaram de uma caminhada em homenagem à menina Eduarda Shigematsu, morta no mês passado. O evento reuniu pouco mais de cem pessoas e partiu da Praça Marechal Castelo Branco até a Igreja Matriz de São José, num percurso de pouco mais de 500 metros pela Avenida Expedicionário. Algumas pessoas vestiam camisas estampadas com uma foto da menina e carregavam balões brancos.

Em silêncio, seguindo um carro de som, o movimento chamou a atenção das pessoas que estavam no comércio. “Esse caso da Eduarda é um alerta para todos nós. A sociedade inteira tem culpa. Esta menina já havia alertado que estava em risco e não fizemos nada”, lamentou a professora Vera Lúcia Araújo, que reuniu seus alunos da equipe de karatê para participar da homenagem.

Ao chegar ao pátio da Matriz da cidade, o grupo foi recebido pelo padre Joel Ribeiro Medeiros, que rezou e falou sobre o combate à violência. “Estou chocado e me pergunto como algo assim pode acontecer. A Eduarda fazia parte das turmas de catequese e é uma ausência sentida. Gostaria que a morte dela fosse uma semente da paz, capaz de tocar a consciência das pessoas para que atos tão graves não voltassem a acontecer”, afirmou o religioso. Além de confortar os presentes, o padre propôs que as pessoas dessem um abraço da paz, que foi antecedido pela soltura dos balões.

Entre os presentes, o clima era de consternação, sentimento comum entre os cidadãos que não conseguem compreender a morte violenta da estudante. A aposentada Marilena Almeida da Silva se comoveu com o ato. “Moro em Rolândia há 15 anos e não tenho conhecimento de algo tão triste. Conhecia a Eduarda de vista, a avó dela vendia verduras. Via a menina por perto, era comunicativa e meiga. Tenho filhos e netos e não tenho como não me sentir triste com o que aconteceu. A cidade ainda está de luto”, afirmou Silva, que estava acompanhada do marido, o torneiro mecânico Sebastião Silva. O evento foi organizado pela Comissão dos Direitos da Criança, Adolescente, Idoso e da Pessoa com Deficiência da Assembleia Legislativa do Estado do Paraná
Fonte: AN Notícias com Folha de Londrina

Galeria de Imagens