Carregando...

Alerta!

logo MP instaura inquérito para apurar irregularidades em serviço de roçagem em Apucarana - Notícias - AN Notícias MP instaura inquérito para apurar irregularidades em serviço de roçagem em Apucarana - Notícias - AN Notícias

Apucarana, 24 de Julho de 2021

SAIBA MAIS

Dia do Retorno da Viagem à Lua -
10/06/2021 10h41

MP instaura inquérito para apurar irregularidades em serviço de roçagem em ApucaranaCâmara de Apucarana arquivou o pedido de CPI para investigar o caso

Diminuir texto Diminuir texto Diminuir texto

A 4ª Promotoria Pública da Comarca de Apucarana, na pessoa do Promotor de Justiça Eduardo Augusto Cabrini, baixou portaria no dia 28 de maio para a instauração de Inquérito Civil Público visando apurar possíveis irregularidades na contratação de empresa terceirizada para a realização de serviços gerais de roçagem manual no município de Apucarana.

De acordo com documentos em poder do Portal 38 News, a empresa recebeu de janeiro a junho deste ano o valor de R$ 201.215,59 da Prefeitura de Apucarana por serviços de roçagens, após uma série de matérias do portal 38 News e do Canal 38, denunciando irregularidades na roçagem de terrenos em Apucarana, como superfaturamento, cobrança por serviços não realizados e outras ilegalidades que podem ser constatadas em análise das planilhas de serviços executados e pagamentos feitos pela Prefeitura de Apucarana, em um grande esquema de corrupção com a suposta conivência de autoridades do Poder Público Municipal.

Um áudio do diretor e representante legal da empresa para a qual a prefeitura de Apucarana licitou e contratou serviço de roçagem e limpeza de terrenos no município, encaminhado ao Portal 38 News, revela detalhes escandalizantes de um esquema de corrupção através do qual já teria sido desviado muito dinheiro público. No áudio são citados nomes de autoridades municipais e as revelações são muito graves.

Mesmo após grande indignação da população, o presidente da Câmara, Poim, arquivou requerimento sobre a roçagem proposto pelo vereador Lucas Leugi, que chegou a pedir instauração de CPI para investigar esquema de corrupção na roçagem da prefeitura. A CPI da Roçadinha teve apenas o apoio do vereador Moisés Tavares, os demais vereadores se esquivaram do assunto. Poim não tem demonstrado qualquer preocupação com a opinião pública ao simplesmente ignorar e arquivar denúncias de irregularidades na administração municipal e na Câmara.

Mas ao contrário da Câmara e da Prefeitura, a 4ª Promotoria Pública da Comarca de Apucarana, através do Promotor de Justiça Doutor Eduardo Augusto Cabrini, baixou portaria para instauração de inquérito civil público com o objetivo de apurar possíveis irregularidades na roçagem de terrenos sob responsabilidade da prefeitura de Apucarana, depois das matérias divulgadas pelo portal 38 News e o Canal 38, com farto material e até um áudio que revelam detalhes escandalosos sobre o esquema de corrupção e desvio de recursos públicos.

Segundo informações, o servidor envolvido na corrupção da roçagem continua ligado ao núcleo do poder da administração municipal, e teria sido determinada a abertura de uma sindicância, possivelmente para investigar a empresa, pois no caso de investigar o envolvimento do servidor cargo em comissão sequer caberia uma sindicância, teria é que ser demitido, mas atualmente ele continua com ligação próxima com o prefeito.

O Portal 38 News esteve nos locais onde foram realizados alguns dos serviços de roçagem. Além da empresa estava em desacordo com a licitação, sem registro dos trabalhadores, os serviços eram realizados em desacordo com o contrato e ainda não são retirados os resíduos com a devida destinação.

Após o início das denúncias os valores pagos a empresa diminuíram drasticamente e centenas de contribuintes entraram com reclamação de roçagem indevida junto a administração municipal, com pedidos deferidos pela procuradoria e fazenda pública, onde acabam assumindo as irregularidades existentes, mas o esquema comandando pelo servidor praticamente voltou ao normal. Mas agora com a investigação do Ministério Público das supostas irregularidades na roçagem de terrenos sob responsabilidade da prefeitura de Apucarana, que foram amplamente denunciadas e deixaram a população de Apucarana escandalizada, os culpados podem ser responsabilizados.

O vereador Lucas Leugi cobrou duramente o prefeito de Apucarana, Júnior da Femac, sobre a falta de providências em relação a denúncias de corrupção no trabalho de roçagem de terrenos na cidade, que foi terceirizado pela administração municipal. Documentos bancários confirmam que parentes do servidor Paulo Fabrício dos Reis receberam depósitos, no caso do pai, e a transferência foi realizada no mesmo dia, depois que a empresa terceirizada recebeu da prefeitura de Apucarana por supostos serviços de roçagem executados.

A reportagem do Portal 38 News já havia apresentado a denúncia das irregularidades e o modus operandi, mas nada foi feito pela administração municipal. Além disso, divulgou que Paulo Fabrício dos Reis era o servidor próximo do prefeito Junior da Femac, publicou as duas planilhas pagas, em parte indevidamente, juntamente com as imagens dos locais que demonstram que os serviços não foram realizados.

“PREFEITO CONIVENTE”
“Mesmo assim o prefeito Júnior da Femac não tomou atitude, não teve coragem de investigar mesmo com provas divulgadas na imprensa, não fez nada e quem sabe de irregularidades e não faz nada é conivente. Também solicitei aos vereadores em requerimento apresentado na sessão que fosse instaurada a “CPI da Roçadinha”, para apurar o suposto desvio de dinheiro público num processo licitatório que envolve pai e filho, mas a proposição foi ignorada pelos vereadores da base do prefeito, que praticamente manda na Câmara”, relembrou o vereador Lucas Leugi.

Galeria de Imagens