Carregando...

Alerta!

logo Caminhão bateu em ônibus após invadir a pista contrária, aponta laudo no PR - Notícias - AN Notícias Caminhão bateu em ônibus após invadir a pista contrária, aponta laudo no PR - Notícias - AN Notícias

Apucarana, 16 de Maio de 2021

SAIBA MAIS

Dia do Gari -
11/11/2016 12h40

Caminhão bateu em ônibus após invadir a pista contrária, aponta laudo no PRLaudo foi divulgado pela Secretaria de Segurança Pública do Paraná

Diminuir texto Diminuir texto Diminuir texto

O laudo da Polícia Científica do Paraná apontou que o caminhão invadiu a pista contrária no acidente na PR-323, em Cafezal do Sul, no noroeste do estado, que envolveu um ônibus com moradores de Altônia. A informação foi divulgada pela Secretaria da Segurança Pública e Administração Penitenciária do Paraná (Sesp-PR) nesta quinta-feira (10). O acidente aconteceu no dia 31 de outubro, e deixou 21 mortos e 9 feridos.

O ônibus da Secretaria de Saúde de Altônia seguia para Umuarama, ambas no noroeste do estado, com 29 pessoas. Parte dos passageiros passaria por um tratamento de catarata em um hospital. Em Cafezal do Sul, o caminhão de uma empresa de latícinios bateu contra o ônibus. Com o impacto da batida, o ônibus e o caminhão pegaram fogo.
 

Em depoimento à Polícia Civil, cinco sobreviventes, entre eles o motorista do ônibus, informaram que viram um clarão vindo no sentido contrário da pista e logo ocorreu a batida.

O motorista de um terceiro veículo, que seguia atrás do ônibus antes da batida, disse que não houve ultrapassagem e o ônibus transitava em um velocidade normal para a via.

Dinâmica do acidente
Segundo o governo estadual, uma equipe de peritos esteve no local para coletar evidências e analisar a dinâmica do ocorrido no dia do acidente e no dia seguinte.

Os danos encontrados no ônibus, na composição do caminhão e no carro apontaram que o ônibus trafegava na rodovia e que o caminhão estava na mesma faixa, ou seja, na contramão. Já o carro seguia no sentido correto, logo atrás do ônibus.

De acordo com o chefe da divisão técnica do interior do Instituto de Criminalística, Luís Noboru Marukawa, os motoristas do ônibus e do caminhão, ao perceberem o risco da batida, realizaram uma manobra de fuga. O condutor do ônibus foi para a esquerda e o do caminhão para a direita. O Marukawa explicou que o motorista do carro, uma Parati, tentou manobrar para o acostamento à direita, quando se deu conta da desaceleração do ônibus.

Marcas de frenagem não foram encontradas na pista, ainda conforme Luís Noboru Marukawa, que também é perito de engenharia. Isso quer dizer que nenhum dos motoristas tentou frear antes da colisão, e isso pode ter influenciado na gravidade do acidente. Para o perito, o envolvimento do automóvel não alterou a dinâmica do primeiro acidente. A Parati bateu na extremidade direita do para-choque traseiro do ônibus.

Na sexta-feira (4), o motorista do ônibus Bruno Teixeira Ferrarini já havia relatado que o condutor do caminhão havia invadido a pista. "Infelizmente o caminhão invadiu o meu lado. O motorista pode ter dormido. Eu estava praticamente com a roda direita no acostamento e automaticamente puxei para a esquerda. Em momento nenhum eu perdi a noção. Vi tudo”,contou o condutor.

A Polícia Civil, que recebeu o laudo nesta quinta-feira, e com isso dará continuidade ao inquérito. Segundo o delegado Adailton Ribeiro Júnior, de Iporã, município da região noroeste, testemunhas já foram ouvidas e outras pessoas ainda prestarão depoimento.

Investigação autônoma
Em nota, o advogado da empresa Laticínios Latco, dona do caminhão, informou que está analisando o laudo do Instituto de Criminalística para se posicionar sobre o resultado das investigações. De acordo com ele, a empresa mantém uma equipe técnica investigando de forma autônoma o acidente.

O advogado da Latco disse ainda que esses técnicos possuem "elementos de prova que caminham em sentido contrário as conclusões do laudo." Ainda de acordo com a nota, o advogado diz que a empresa "não poupará esforços em busca da verdade quanto a real causa do acidente"

 

Fonte: AN Notícias com G1