Carregando...

Alerta!

logo Em primeiro decreto, Milei corta pela metade número de ministérios  - Notícias - AN Notícias Em primeiro decreto, Milei corta pela metade número de ministérios - Notícias - AN Notícias

Apucarana, 03 de Março de 2024

SAIBA MAIS

10/12/2023 07h59

Em primeiro decreto, Milei corta pela metade número de ministérios Segundo imprensa local, governo do presidente eleito da Argentina terá 9 pastas. Antecessor Alberto Fernández tinha 18 ministros

Diminuir texto Diminuir texto Diminuir texto

Empossado presidente da Argentina neste domingo (10), Javier Milei já assinou o primeiro decreto de sua gestão. A medida, segundo a imprensa reduz o número de ministérios do país a nove, a metade do que tinha seu antecessor, o agora ex-presidente Alberto Fernández.

O governo do ultraliberal terá, assim, as seguintes pastas:

 

Ministério de Interior; Ministério de Relações Exteriores; Ministério de Comercio Internacional e Culto; Ministério da Defesa; Ministério da Economia; Ministério de Infraestrutura; Ministério da Justiça; Ministério de Segurança; Ministério da Saúde e Capital Humano.

 

Segundo Milei, a medida é a primeira para cortar gastos públicos, uma das bandeiras que ele levantou durante discurso neste domingo.

Milei afirmou que, no curto prazo, a situação deve piorar até que as primeiras medidas comecem a dar resultado. E reiterou que o governo não tem dinheiro: "Lamentavelmente tenho que dizer, 'no hay plata'".

"Isso impactará de modo negativo a atividade, o emprego, a quantidade de pobres e indigentes. Haverá estagflação [situação em que há estagnação da economia e inflação alta], mas é algo muito diferente do que tivemos nos últimos 12 anos. Será o último gole amargo para começar a reconstruir a Argentina", disse.

 

"Não será fácil: cem anos de fracasso não se desfazem num dia, mas um dia começa, e hoje é esse dia."

O presidente argentino discursou nas escadarias do Congresso, para seus eleitores. É uma quebra de protocolo, porque normalmente esse discurso ocorre dentro do parlamento.


Fonte: AN Notícias com G1

Galeria de Imagens