Carregando...

Alerta!

logo Parlamento israelense aprova cessar-fogo na guerra contra terroristas do Hamas - Notícias - AN Notícias Parlamento israelense aprova cessar-fogo na guerra contra terroristas do Hamas - Notícias - AN Notícias

Apucarana, 03 de Março de 2024

SAIBA MAIS

22/11/2023 02h08

Parlamento israelense aprova cessar-fogo na guerra contra terroristas do HamasPausa é temporária e tem o objetivo de libertar parte dos reféns e enviar ajuda à Faixa de Gaza

Diminuir texto Diminuir texto Diminuir texto

O Parlamento israelense aprovou nas primeiras horas da quarta-feira (22) um acordo de cessar-fogo na guerra de Israel contra o Hamas e abriu caminho para a libertação de parte dos reféns sequestrados pelos terroristas do grupo. É o primeiro cessar-fogo aprovado por Israel desde o começo da guerra.

Em 7 de outubro, os terroristas do Hamas atacaram Israel, mataram 1.200 pessoas e sequestraram um total de outras 240s. Dos reféns capturados, cerca de 50 começarão a ser libertados na próxima quinta-feira, informou nesta terça-feira (21) o site Jerusalem Post.
 

A informação foi divulgada de forma não oficial por ministros israelenses que participaram da reunião do Gabinete de Guerra. Eles foram comunicados de que a primeira libertação de reféns pode acontecer já na quinta-feira, informou a mídia hebraica na terça-feira.

De acordo com alguns dos detalhes do acordo divulgados, serão libertadas 32 crianças e 18 mulheres em troca de um cessar-fogo temporário de quatro dias e a libertação de cerca de 150 a 300 prisioneiros palestinos, além da permissão de entrada de combustível e outros bens em Gaza.

A libertação deverá ocorrer em etapas, com cerca de 12 reféns libertados por dia. O governo confirmou esses termos do acordo após a votação no Parlamento, sem fornecer detalhes sobre outras concessões israelenses.

 

 

 

Israel também concordou em permitir a entrada de combustível adicional em Gaza bem como quantidades significativas de ajuda humanitária, que não entraram na região devido à guerra em curso.

Cruz Vermelha

Parte do acordo permitirá que a Cruz Vermelha tenha acesso aos sequestrados que permanecerão como reféns em Gaza, incluindo o fornecimento de medicamentos, conforme afirmou o escritório de Netanyahu na terça-feira.

 

Fonte: AN Notícias com R7

Galeria de Imagens